14 de fev de 2018

Eu quero me matar, precisamos conversar !

Eu queria ter o poder de dizer exatamente o que as pessoas precisam ouvir em um momento crítico que significa vida ou morte pra elas.
Infelizmente, poucas idéias tenho porque já pensei no meu próprio funeral diversas vezes. Eu estive tāo perto. Ainda nāo sei dizer se me faltou coragem pra partir ou se me sobrou coragem pra ficar. Mas fiquei. Eu sei que muitas vezes eu falo em enigmas, tendo a tentativa de proteger terceiros, jamais iria querer que alguém pensasse que parti por uma fala ou ato alheio, embora eles tenham grande parcela na porcentagem da tal culpa, a culpa que a gente procura tanto quando perdemos alguém que decide ir fora do tempo. Nāo funciona assim. Há dois anos eu comecei a perceber que minha força já nāo era a mesma. Eu percebi que a linha do tempo de acontecimentos tinha me fudido de uma forma irremediável. Eu achava que toda a minha história era motivo suficiente para ir embora sem dar tchau. Eu tinha perdido tudo que eu mais amava e todas as tentativas de recuperar qualquer sorriso era tāo difícil que eu tinha medo de continuar vivendo. Foi entāo que eu procurei ajuda. Nāo é uma ajuda qualquer, as vezes seus amigos dizem coisas que pioram a situaçāo sem querer. Lembre-se, nāo é culpa de ninguém que sua alma esteja toda fragmentada. É sua responsabilidade consertar o que a vida te transformou. Dói pra caralho. Machuca mesmo. A vontade de desistir as vezes, quase sempre, é maior do que a vontade de continuar tentando. A gente acha que já sabe o resultado tá ligado? A real é que a gente nāo sabe porra nenhuma. Se a gente se der 10 minutos a mais de vida e decidir naquele momento simplesmente nāo pular, quanta coisa pode acontecer? Aconteceu muito pra mim. Eu achei de verdade que era o fim tantas vezes. Quem me viu de perto viu a morte no brilho do meu olhar, estampando meus sonhos mais proibidos. Eu sonhava com o sono profundo dia e noite, eu planejava estar ausente. Eu me programei pra isso. Mas acho que alguma coisa em mim parecia estar inacabada, de alguma forma, mesmo estando sangrando, sem meus pais, abusada pela pessoa que mais confiei na minha família, abandonada por todo mundo que eu ousei amar, depois de ter machucado todas as pessoas legais que eu conheci da forma mais nojenta possível eu resolvi olhar pro céu. Eu me desafiei a viver mais e tentar. A ironia nesta passagem só será entendida por aqueles que já quiseram sentir tanta dor, tanta dor que nada seria mais doloroso do que continuar vivendo, entāo eu continuei vivendo. Eu queria saber até onde eu conseguiria chegar. Quando eu tinha 11 anos e me acordaram de manhā dizendo que minha māe tinha ido embora do mundo, eu me senti desafiada a ser forte pela primeira vez. Quando meu tio, o único ser do sexo masculino que eu confiava e tinha como figura de pai me fez pedidos inadequados e eu sai correndo, eu me desafiei a nunca contar nada pra ninguém. Eu escondi o segredo dele e agora eu estou contando pra todos que quiserem ler. Eu nāo me importo mais. Eu só quero ser verdadeira hoje.
Eu ouvi muitas críticas sobre um texto que eu escrevi sobre se matar rápido e nāo sentir dor. Eu caguei pra tudo de negativo que me disseram porque algumas pessoas vieram pessoalmente agradecer  por eu ter salvo a vida delas. É pra isso que eu estou aqui. Se tem algum leitor que lê esse monte de desabafos da vida que eu escrevo eu quero que isso sirva pra alguma coisa e eu nunca vou ser desonesta. Eu sei que dói pra caralho! Você acha que eu nunca estive no seu lugar, mas eu já estive vezes demais pra contar. Minha pele do rosto se enruga de lágrimas só de lembrar o quāo jovem eu era quando fui vítima pela primeira vez da famosa depressāo. Quer saber ? Foda-se a depressāo. Foda-se o suicídio. Foda-se todas as vezes que eu achei que a vida nāo valia a pena. Eu nāo sou a depressāo, eu nāo sou a queda do prédio. Eu nāo sou o que os fracos me dizem para ser. Eu vou vencer, eu vou chegar até a faixa final da corrida. Por primeiro ou por último, realmente nāo importa. O que importa mesmo é que eu nāo vou desistir, eu nāo vou deixar a depressāo me definir, eu nāo vou ceder nenhum passo para trás. Você também deveria tentar.

Precisamos conversar.
Conte comigo.
vaanz@me.com