23 de nov de 2017

Análise racional do ódio

Não tem jeito, sempre vai existir algo ou alguém para tentar me sugar. 
O mais fácil é aceitar e tentar resolver. Não sou perfeita, mas trabalho com argumentos sólidos com foco no meu crescimento pessoal e espiritual. Hipocrisia é se dar o título de pessoa correta em um mundo onde quase tudo está fora do lugar. Não respeito o jogo sujo.  Não preciso me justificar, mas algo em mim coça então preciso escrever.  Deve ser o detector de injustiças que apita e me dá vontade de reagir de alguma forma. 
Andei refletindo muito e cheguei a diversas conclusões. A principal delas é que eu não consigo sentir raiva de quem tenta me machucar. Talvez a pessoa esteja em um ciclo tão odioso e ruim com a sua própria vida que precise jogar isso pra fora. O que me deixa frustrada é que eu não tenho obrigação nenhuma de ser o poço para tais lamentações. Eu tenho poucos amigos justamente por que não quero ter obrigações com todo mundo. Não quero mais problemas para resolver. Eu sou o tipo de pessoa que gosta de fazer a minha parte e ponto. Quando chega alguém cobrando qualquer coisa que esteja além disso, se tal coisa fizer sentido, eu considero. Mas não é o que acontece normalmente, pois eu olho e só enxergo pessoas frustradas, buscando alguém para descontar as suas repressões. Faça isso, faça o que quiser mas tenha argumentos. Saiba sustentar seu ponto de vista. Para mim, quem mistura o aspecto pessoal com questões que demandam resolução objetiva, demonstra apenas fraqueza de inteligência emocional e física. O mundo é louco demais para que a gente se dê o luxo de falar coisas que não façam sentido e não possuam respaldo. E eu seria um ser humano que eu não respeito se eu me colocasse na posição de odiar e me sentir mal com algo que não possui base argumentativa sólida. Não basearei minhas emoções, as quais trabalho arduamente de forma diária e constante, em pessoas que simplesmente não conseguem fazer o mesmo com as suas. Eu respondo com objetividade e silêncio. Eu resolvo situações. Frustrações e dilemas todos possuem, assim como eu possuo estes e nesse momento a grande necessidade de colocar toda a minha indignação pra fora em forma de palavras. Mas não preciso atingir um alvo específico, são apenas pensamentos que precisam sair. Estou em constante evolução, humana como sou, sei que nada sei e nada sou. Não cabe a mim odiar meus semelhantes, nesse momento talvez nem pena eu consiga sentir. O universo é amplo e o tempo ao qual fui submetida é limitado, sempre será ressaltada em mim a razoabilidade, porém, não consigo deixar que isso afete meu crescimento, simplesmente não dá. O objetivo é ser cada vez mais um ser humano que eu possa admirar. Tais pessoas que tentam me tirar do meu caminho, são vistas como meros desafios para aprimorar meu ser. Sucumbir ao ódio me tornaria igual a eles. Mas não posso e nem quero estar nesse patamar. Essa fase já está concluída, logo, não preciso me preocupar.
Fica aqui o registro de meus questionamentos e incômodo pela injustiça de ter que lidar com pessoas que não possuem o mesmo nível, que não conseguem responder com base em nada e que só sabem atacar sem pensar em consequências. Ainda assim devo ser grata por possuir o exemplo de tudo que eu nunca quero ser. Nada me irrita mais do que incoerência ou a falta de honestidade em se admitir confuso e incoerente. Seja o que quiser, só não espere que os outros sejam como você. 
Em paz eu fico e caminho, pois minhas frustrações são escritas e superadas. Em paz eu sigo e me sinto pois nada pode abalar o ser que vê além da inferioridade das ações impensadas. 

Estas linhas contém sentimentos que eu nunca consegui expressar antes, é um debate comigo mesma sobre o que é certo e errado e como eu deveria me sentir frente aos vampiros que a vida coloca na minha frente, pra testar minha boa vontade em crescer. 

Minha resposta é apenas uma ! 

Obrigada, pois ficarei cada vez maior.