21 de nov de 2017

Mais uma última carta

Se você pudesse sentir metade do que eu sinto e pudesse pensar metade do que eu penso, talvez você não diria o que disse.
Talvez o mundo realmente seja um lugar melhor sem mim.
Talvez meus sentimentos estejam abalando o sistema por inteiro e a primeira estrutura a rachar foi meu cérebro.
Eu estou quebrando por dentro.
As vezes olho ao meu redor e tento dar nome as cores e sentido as formas mas é em vão.
Meu coração está ficando cada vez mais abstrato e viver se torna uma tarefa cada vez mais difícil.
É assim que venho dar adeus.
Queria que este fosse o momento mais marcante da minha vida, mas vai ser apenas mais uma passagem medíocre em busca de recomeço.
Eu não sirvo para terminar as coisas.
Meu corpo está doente demais para se curar nesse ponto.
Eu juro que eu tentei.
Eu não sou uma garota boa, eu só queria a minha parte no todo mesmo que fosse pequena, mas que pelo menos uma parte fosse só minha e mais de ninguém.
Eu não sou uma garota ruim, eu só queria ser amada por alguém.
O mundo me atira pedras desde a hora que eu cheguei. Bravamente eu lutei e lutei incansavelmente incontáveis lutas.
Sozinha, na rua, na chuva, ao vento que batia contra os meus piores pensamentos, no bar bravo.
No deserto andei com sede, sem água por dias em busca de uma gota de compaixão.
O mundo só é capaz de ver a minha casca grossa. A garota forte que sobreviveu as guerras.
No sereno corri com medo , com frio por dias em busca do conforto de um abraço quente.
Tudo é tão vazio e sem sentido, eu só vou me entupir de comprimidos e esperar pra ver o que acontece.
Estou cansada demais pra lutar dessa vez.
Eu não vou embora sem dizer o que realmente penso. A culpa é sua.
Você me matou cada vez que desviou o olhar das minhas lágrimas.
Você tirou todo meu sangue de mim todas as vezes que fingiu não ver que eu sangrava.
Você me colocou em um espaço que não havia oxigênio algum pra respirar, cada vez que disse “os outros tem sentimentos”.

Você só esqueceu que meus sentimentos são maiores do que o de qualquer outra pessoa e que eu sou capaz de sentir em mim toda a dor do mundo em um segundo.
A culpa é sua.
Um, dois, trinta calmantes talvez me façam dormir em paz essa noite.

Eu não vou mais tentar salvar ninguém.