17 de out de 2017

Sal

Eu quero me limpar, drenar de mim todos os sentimentos que me fazem ceder. Retroceder e não entender. Não quero achar que preciso entender. Quero ceder e desaparecer. Desaparecer dessa história que nunca foi minha. Pintar todas as paredes de amarelo pra que minha ansiedade seja menos apática. Eu quero arrancar pedaços de mim. Sangrar até morrer a parte que me impede de ser quem eu sou. Mas será que sou ? Você me confundiu. Me fez achar que o preto era dourado, mas hoje está tudo acabado e só vejo o escuro. Eu não sei quem você se tornou. Eu sinto pena de mim. Achei que era de ti, mas no fundo fui eu que morri. Me colocaram no meio de uma guerra que nunca foi minha pra brigar. Me fizeram achar que eu era culpada pelos erros que eu nunca cometi. E agora eu fico aqui, observando e incapaz de me mover. Confusa demais pra entender e separar, deixei entrar em mim tudo que veio de fora, se misturou no meu sangue elementos que não eram meus. Eu não consigo mais separar. Eu quero tirar isso de mim. Esse comprimido azul que só me faz enganar.  Quem sou eu ?
As vezes eu me esqueço de todas as partes boas que existem em mim, todos os pensamentos de evoluir e caminhar em frente, de repente viram sangue que me obrigam a engolir. É uma violência brutal contra mim e eu já nem sei de onde vem tudo isso. Talvez essa seja a herança que você me deixou. Uma eterna confusão. Eu pensei que quem precisava de ajuda era você. 
Eu quero me limpar, mergulhar profundamente em águas densas cheias de sal, perder a respiração embaixo do mar e engolir o oceano. Eu quero morrer. Morrer para ressucitar. Quem sabe assim eu consiga finalmente uma página em branco. Eu quero um livro novo. 
Eu preciso me libertar dessas correntes que me sugam, não me deixam respirar. Eu puxo o ar e ele se vai. 
Eu preciso me sentir vazia. Eu estou perdendo a sanidade que ainda tinha. 
Eu faria qualquer coisa para não lembrar de mais nada. 

Eu preciso me limpar.