12 de mai de 2016

Perturbador

Tenho muita dificuldade em escrever sobre como me sinto em relação ao que nunca aconteceu. Olha que bicho estranho, nem posso reclamar se me chamam de louca. O que mais me incomoda é não saber se eu estaria feliz se tivesse escolhido outros caminhos. É tão estranho perceber onde estou agora, de repente tudo é meio desconexo e sem sentido. De qualquer forma, sei que estou onde deveria estar. Mas e se ?
E se eu tivesse ficado e nunca mais voltado?
E se aquela oportunidade tivesse vingado?
E se aquele amor não tivesse acabado?
E se?
Vivo a me perguntar... E tais questões não me deixam dormir as vezes. 
Perturbador.
Engraçado, porque se eu tivesse ido por outro caminho, eu não estaria escrevendo isso aqui e agora. Seria outra versão de mim, com outros sentimentos e problemas diversos dos atuais. 
Muito perturbador.
Como vocês conseguem lidar com isso? 
E aquela vontade louca de largar tudo e ir embora? Alguém se identifica?
E aquele desespero por aventura, aquele instinto animalesco que fazia eu me jogar em todas as situações de alma e coração? Onde foi parar? Será que eu morri e não percebi?
Extremamente perturbador.
Como vocês lidam com isso?
As vezes penso em ficar, eu já pensava nisso há 4 anos atrás, mas pensava em ficar como quem pensa em sentar para tomar um café rápido e depois ir embora. Não fazia parte dos meus planos me tornar quem me tornei. 
Perturbador.
Percebi que a vida é uma estrada sem retorno e sem saídas, uma vez que você escolhe um caminho, você nunca mais consegue voltar pra escolher outro. Sempre nos deparamos com bifurcações, tudo bem pensar nas escolhas futuras, mas e as passadas? Como lidar com a curiosidade de saber o que tinha naquela outra estrada?
Perturbador.
Eu precisava colocar isso em palavras e o fiz da forma mais estranha possível, mas talvez essa seja a tradução literal e exata de como eu me sinto. Não faz muito sentido não é mesmo? Bem vindo ao meu mundo, tudo aqui dentro é assim meio fora de lugar. As vezes as cenas são coloridas demais e de repente tudo fica cinza. 
Lembro-me de quem eu era como quem lembro de uma velha conhecida. O meu eu de alguns anos atrás JAMAIS sairia comigo. No mínimo, me acharia chata e covarde. Previsível. Sem charme. E o meu eu de agora jamais sairia com o meu eu de antes, no mínimo me achava muito atirada, sem receios, muito descuidada, sem medo. 
Quem poderá me dizer qual das duas é melhor?
Quem eu quero ser?
Será que estou fazendo as coisas do jeito certo?
Perturbador.