28 de out de 2015

Eu vs Dor

A dor !
Aquele enorme vazio perfurante que se espalha pelo peito, aquela vontade de só deitar e dormir para ter um pouco de paz. A perda da fome, a perda da vontade de estar de pé. É com lágrimas nos olhos que me forço a ser um pouco mais forte. Mais do que fui ontem, muito menos do que terei que ser amanhã. Não posso deixar que a melhor parte de mim vá embora, meus sonhos ainda estão tão vivos, meus pensamentos são tão positivos, eu juro. Mas a dor ainda está lá, não é uma dor emocional, bem que poderia ser.
A dor me cutuca o dia inteiro, me lembrando que sou apenas um corpo frágil habitado por uma alma forte. E me permito ser forte, ignorar a dor, fingir que ela não está lá. Ao ver as agulhas fecho os olhos, penso em coisas boas, lembro do meu filhote de gato me esperando em casa. Ao ver o sangue, finjo não me sentir nauseada. Enquanto caminho, caminho com esperança, tenho fé em mim mesma, tenho fé em minha coragem e orgulho das minhas cicatrizes. Cada luta superada foi uma guerra vencida, e eu sou a campeã. E tantas vitorias me transformaram em um ser cada vez mais forte, cada vez mais destemido. Mas a dor ainda está lá, e as vezes eu esqueço de toda essa força que habita em mim e me permito sentir, me permito por breves momentos ser apenas humana, me permito chorar, me permito sentir ódio por estar sentindo uma dor que eu não deveria estar. Eu não tenho que ser forte o tempo todo afinal. Queria trocar de corpo com alguém por pelo menos um dia, abrir um zíper nas minhas costas e sair por aí, livre, leve e solta. Mas cá estou , presa na carne, meu espírito tão livre implora para retornar ao verdadeiro lar, mas o momento não é esse. É preciso superar, sentir todas as dores para que eu aprenda a valorizar a vida, aquela que tentei tirar tantas vezes em segredo. Agora todos sabem. Talvez a dor seja merecida, encaro minha punição com a cabeça erguida. Aceito o que a mim foi imposto, talvez por mim mesma, e sigo em frente pensando apenas no melhor. Apesar de tanta aceitação e força, hoje só queria desmoronar e me deixar sentir um pouco de pena da minha própria dor. Conto os segundo para ir para casa, e tentarei me convencer de que amanhã a dor já terá ido embora, mesmo sabendo que isso é fisicamente impossível, ainda acredito que possa acontecer. Pois a dor pode ter levado embora algumas coisas de mim, exceto minha fé.

21 de out de 2015

Mudanças



Eu tinha esquecido o quanto era legal falar com pessoas desconhecidas. Não me lembro ao certo quando eu parei de ser gentil e simpática com estranhos, talvez foi no tempo em que eu estava ocupada demais odiando, brigando e fazendo coisas estúpidas. A mesma época em que eu chorava por não ter amigos e minha vida social era uma droga. Sim, uma semana atrás talvez. Não sei o que aconteceu comigo, mas simplesmente parei com tudo isso. Depois do episódio hospital, muitas coisas mudaram em mim, meu jeito de olhar pra vida, pro céu e para as pessoas. Eu voltei a sonhar, voltei a sorrir, me sinto mais alegre e de certa forma mais jovem, por dentro é como se eu tivesse 16 anos novamente. Eu estou me descobrindo de novo, fazendo coisas que eu gostava tanto de fazer e tinha parado por motivos obscuros da minha alma solitária. Voltei a sorrir para todos, voltei a puxar conversa em todas as oportunidades que tenho, voltei a ouvir e me interessar pela história dos outros. E assim meus dias tem passado mais rápido, as horas parecem mais interessantes, eu aprecio cada segundo com vivacidade, lendo, pesquisando coisas legais, sonhando alto e imaginando possibilidades. Voltei a ser romântica, voltei a fazer amigos, voltei a amar a vida do mesmo jeito que amava quando era tão pequena. Ainda vejo o mundo com os mesmos olhos de criança, sei que minha fase ruim não foi uma mudança de caráter e sim um pequeno desvio de caminho, um momento em que usei vendas nos olhos e sedativos fortes para amortecer a mediocridade do meu ser. Consigo ver agora, finalmente, que tudo foi um grande pesadelo mas acabou, eu acordei e estou aqui de novo ! Pronta para receber o melhor que a vida tem pra me dar, pronta pra falar com as pessoas como eu fazia quando era mais jovem, pronta para sorrir, pronta para viver o melhor e nada menos do que isso. 
Eu voltei. 

19 de out de 2015

Saindo do hospital \o/

Quando se passa tempo demais dentro de um lugar, sair dele é um momento mágico. Talvez eu seja sensível demais, talvez minha pele tenha reações em demasia quando tocada pelo sol e pela brisa fresca da tarde. Aquelas tardes que perdi enquanto não podia estar lá fora, enquanto não podia estar em qualquer outro lugar. Busquei refúgio em minha mente, em pensamentos livres que voavam longe da minha dor, a dor física, a dor invisível, a dor da alma. Fugi para os alpes suíços que ainda não conheço, para os montes verdes que a Heidi tanto ama. Fui para longe buscar o conforto que não podia encontrar no quarto frio do hospital. Em voo noturno visitei os mares, aqueles que tanto me alegram quando já nem cabe mais tanta alegria em mim, aqueles que eu pensei por um instante, que nunca mais fosse ver. Eu imaginei um futuro diferente, cheio de cor, cheio de letras, canetas, livros e poesias que aquecem o coração. Imaginei um roteiro perfeito, histórias que mudariam a forma como o mundo pensa. Percebi que tudo que faço hoje não vai me ajudar a chegar nesse futuro tão lindo que imagino para mim, é preciso mudar o plano de voo. Talvez as coisas comecem a ser realmente bonitas agora que existe um sonho novo, já me sinto diferente, tomar decisões é algo que muda a gente, mesmo que tudo ainda pareça tão igual, por dentro tudo é novo. Novos sonhos, novo fôlego, novos anseios, novos horizontes. É como nascer de novo e eu não poderia estar mais feliz.
É o que acontece quando você sai de um lugar depois de tanto tempo, aquela sensação que se tem quando abrimos a janela de um quarto escuro e o sol do meio dia invade tudo com seus raios. Toda a poeira se sacode, todo o ar se movimenta, os olhos se fecham tentando protege-los de tamanha claridade. E então o corpo volta a se acostumar com a luz, com o jeito que a vida brilha independente dos seus temores e receios. É assim que me sinto hoje, queria que todos soubessem o quanto é lindo poder sonhar de novo.

16 de out de 2015

A vida é curta

A vida é curta demais para deixar que algo tāo estúpido quanto o medo nos impeça de realizar sonhos. Todos os dias de manhā nossa estrada é menor do que foi ontem e um pouco maior do que será amanhā, entāo por que nāo usar este precioso e minúsculo tempo no espaço para fazer aquilo que realmente te faz sorrir? A vida é curta demais para nos darmos o luxo de realizar nossa grande ambiçāo no futuro, é curta demais para deixar para depois, curta demais para se deixar ser vivida pela metade. Viva inteiro, viva completo, viva o seu certo mesmo que seja errado para o resto. Muitos tem sorte de seguir seus instintos mais profundos desde o nascimento, com um pouco de coragem e ousadia, finalizam suas vidas com maestria, deixam para trás sorrisos, inspiraçāo, conclusões de uma jornada bem vivida. Outros apenas seguem o fluxo, vendem seus sonhos pela matéria, suas almas para a luxúria tāo passageira, seus desejos profundos sāo mascarados pela ganância, pela inveja, pela cobiça. Acho que fui uma dessas pessoas por algum tempo, até ontem talvez. Algo em mim despertou, finalmente consigo enxergar que o que realmente importa é viver da forma mais fiel a mim mesma, pois sou a única pessoa do mundo que eu jamais conseguirei enganar, a única que sabe que todas as mentiras que eu falo nāo sāo reais, a única que conhece verdadeiramente o que minha alma clama e almeja desde sempre. Muitos podem falar por mim, opinar, dizer que me conhecem, mas isso é impossível, pois a alma é intocável, irreconhecível para qualquer ser que nāo seja você mesmo.
Eu decidi lutar, nadar contra a corrente, fazer diferente, mudar ! Eu decidi crescer, mesmo que os outros achem que isso seja dar um passo para trás, para mim significa andar cinco passos para a frente, o maior passo da minha vida talvez. Eu decidi arriscar, viver hoje como se fosse o meu último dia, pois quando achei que fosse, me senti imcompleta e infeliz por nāo estar fazendo aquilo que realmente gosto, aquilo que eu acredito, aquilo que me faz sentir mais viva, melhor, maior e me faz vibrar intensamente tamanha a alegria. Eu tenho palavras para dizer, tenho mensagens para distribuir e é isso que irei fazer. Sei que muitos irāo me ouvir enquanto outros rirāo pelas minhas costas, mas a jornada é minha , e sabendo que eu estou no meu próprio caminho, nada me impedirá de ser o ser mais feliz e completo do universo. Eu me recuso a continuar vivendo do jeito que estou, nāo tomarei precauçāo alguma para mudar. Quando você tiver a sombra da morte nos seus ombros, por um minuto que seja, ou uma noite de pura e angustiante espera, talvez você entenda o que eu quero dizer. Por enquanto, basta ter em mente a seguinte pergunta : " Se eu morrer amanhā, morro feliz ? ".


1 de out de 2015

Eu só quero ser feliz



Eu quero acordar de manhã e abrir a janela, deixar o sol entrar, deixar a pele queimar. Eu quero ir a pé para o trabalho para poder apreciar a paisagem, as cores das árvores, tão lindas na primavera, especialmente as roxas. Eu quero sentir a chuva molhar os meus cabelos e não me preocupar, sentir o cheiro fresco das plantas e apenas com isso me alegrar. Eu quero dar bom dia para os estranhos, sorrir de volta para as crianças que sorriem pra mim, quero ajudar alguém a carregar sacolas, quero auxiliar uma idosa enquanto ela atravessa a rua, quero pagar o almoço daquele mendigo que fica sentado na esquina, pelo menos uma vez, pelo menos um dia. Eu quero espalhar meus sorrisos por todos os lados, quero contagiar o mundo com a minha alegria, quero enfeitar a vida alheia com rimas e poesias. Não mais sobre as lágrimas que já secaram, não mais sobre os amores que abandonam, não mais sobre nada que um dia me partiu o coração. Eu quero o sol, o verão, o mar, areia, água gelada, sucos de frutas doces, dancinhas ridículas com as minhas amigas, festas que não tem horário para terminar. Eu quero rir de tudo, rir de todos, rir com tudo e rir com todos. Eu quero um dia mais longo, uma vida mais branda, um peso mais leve e uma mochila com tudo que eu preciso dentro. Quero distribuir o que há de melhor em mim  ao mundo, pois já causei danos demais. Eu só quero ser feliz ! Quero ver filmes de madrugada, comer pipoca e coca cola, dormir no sofá e acordar me sentindo ótima de manhã. Eu quero cumprir minhas tarefas aqui e agora, não deixar mais nada para depois, não acumular nada para os brilhantes dias seguintes que estão por vir. Eu quero brincar com o meu gatinho, ver ele crescer comigo e ter a sua companhia todas as noites esquentando os meus pés com seus pelos quentinhos. Quero acordar e ouvir músicas que me façam cantar e assim iniciar o dia tirando de mim todas as coisas negativas. Quero ter paz no coração, quero ser suficiente para mim mesma, quero ser feliz ! Quero me formar, umas duas ou três vezes, quero estudar assuntos que eu nunca ouvi falar antes, quero descobrir coisas novas e curiosas, que despertem meu singelo interesse em explorar até que eu canse e parta para o próximo assunto. Quero viajar, brincar, rir, chorar, ler, andar sem rumo, caminhar distâncias longas, me perder, me achar, voltar. Eu só quero ser feliz! Os anos passarão e o desejo continuará sendo o mesmo, meus cabelos brancos voarão ao vento, meus pés descalços balançarão no ritmo das ondas do mar, minha pele enrugada se bronzeará na luz do sol. Nada irá mudar, eu só irei desejar uma coisa: ser feliz!