2 de set de 2015

Viajar é preciso


                                    (Viajando da Polônia para a Austria)

O que eu sinto mesmo é falta de estar lá fora, em algum lugar, qualquer lugar. Sinto falta das comidas estranhas, dos idiomas que soam engraçado para os meus ouvidos, das pessoas diferentes espalhadas por todo lado. Queria poder ir e não voltar, viajar de carona pelo mundo e morrer na estrada. Digo para vocês que o jeito mais fácil de sufocar um ser que ama viajar é deixar ele preso em um escritório ou numa sala de aula. Eu quero aprender lá fora, quero trabalhar lá fora,  quero por a mão na massa, quero viver na pele o frio, o calor , o vento, a fome , a sede , a dor da saudade e as lágrimas do retorno para casa. Deve ser por isso que as vezes me sinto triste, me sinto obrigada a estar em lugares que eu não gostaria, sei que eu mesma me trouxe até onde estou por vontade própria, mas talvez eu não goste muito das minhas escolhas. As vezes me sinto triste, profundamente sem saída, me sinto ingrata com a vida. Eu tenho tudo que preciso para viver, vivo bem e feliz, então por que me sinto tão para baixo as vezes ? Busco essa resposta dentro de mim, as vezes confundo com saudades de alguma coisa que eu nem sei o que é , mas no fundo eu sei que é só vontade de viajar mais. Eu queria estar a caminho do aeroporto, sentindo aquele frio na barriga que dá antes de embarcar para o desconhecido. Eu sinto falta de andar em ruas que eu não conheço, me perder, me achar, comemorar, experimentar tudo de novo que o mundo tem para me dar. Mas ai eu me lembro que ainda estou aqui, andando nas mesmas ruas de sempre, falando com as mesmas pessoas e a caminho de mais uma possível aula chata. Me convença a gostar de viver uma vida normal quando eu sinto que apenas o que é diferente do comum me atrai. E agora estou aqui, tentando convencer a mim mesma que tudo isso é passageiro, que amanha eu já estarei conformada e feliz em viver um dia igual ao anterior. Me convença que viver tem que ser chato e igual, me convença que desfrutar da vida é ter uma casa e uma família normal. Eu me decidi então, guardar todo o meu anseio e todo o meu dinheiro para um único fim: conhecer o mundão. É por isso que faço o que faço, que venham mais mil dias de sol que não poderei sentir queimar minha pele, que venham mais mil aulas chatas que terei que engolir, é tudo por um objetivo maior. Daqui a pouco estarei partindo de novo, já não consigo mais conter essa grande ansiedade de partir logo para um país novo, afinal, o mundo é grande demais e o tempo é incerto, quase sempre curto. Me explique como os outros seres humanos também não se sentem assim ?