26 de jun de 2015

Partiu Polônia



Daqui algumas horas estarei embarcando para a Polônia, onde ficarei duas semanas para fazer um curso de férias na Universidade de Lodz. Apenas 20 de aproximadamente 200 inscritos ganharam esta bolsa da faculdade FMU e eu fui uma delas. Como o curso é de duas semanas, resolvi tirar o mês inteiro de férias do trabalho para ficar logo 30 dias na Europa. 

Não é a primeira vez que viajo para ficar bastante tempo fora, mas é a primeira vez que viajo sentindo receio. Todas as outras vezes, eu senti que não tinha nada a perder, claro que tinha saudades da minha família e dos meus amigos, mas era apenas saudades, eu nunca tive laços realmente fortes com nada e com ninguém. Agora que eu tenho, entendo completamente porque tantas pessoas sentem medo de viajar e ficar longe tanto tempo. 

Ontem de manhã eu sai de casa sabendo que iria voltar e dormir sozinha, meu namorado viajou para a Holanda e assim que meu curso acabar iremos nos encontrar na Alemanha. Fazia tempo que eu não sentia essa sensação estranha, nunca ficamos mais do que cinco dias sem se ver e chegar em uma casa vazia partiu meu coração de uma forma inexplicável. Pela primeira vez, depois de muito tempo, me senti sozinha,  coloquei uma camiseta dele, usei o seu perfume, abracei o travesseiro e me senti triste. Fiquei esperando ele abrir a porta, chegar de repente, sei lá.  Sei que parece exagero, vamos nos ver daqui a pouco e tem casais que se vêem muito menos do que nós,  honestamente não sei como conseguem, me contem nos comentários depois. Enfim, mesmo sabendo que parece exagerado, isso não diminui a minha dor. Ficar longe de quem se ama nunca é bom, como poderia ser?

Hoje de manhã sai de casa sabendo que não vou voltar por um tempo, beijei meu gatinho, que é possivelmente o ser que eu mais sentirei falta durante esse mês, olhei para a casa pela última vez , fechei a porta e não olhei para trás. E apesar de todos esses sentimentos misturados, estou feliz e ansiosa. Já estou aqui com tudo pronto para partir para mais uma aventura. Pretendo postar todos os dias durante esse mês para mostrar um pouco dos países pelos quais irei passar : Polônia, República Tcheca, Áustria, Eslováquia, Alemanha, Bélgica e Holanda. 
Se você já foi para algum destes lugares e tiver alguma dica ou sugestão, deixe nos comentários. Este é meu último post aqui no Brasil, amanhã volto para contar como foi minha chegada no solo polonês.

Abraço forte para o Brasil e partiu Polônia ! 


22 de jun de 2015

3 formas de fazer intercâmbio gastando pouco




Chega aquele momento na vida em que o que está ao nosso redor deixa de ser suficiente. Faz parte da natureza humana buscar outros horizontes e sentir o anseio por aventuras e experiências novas, e é exatamente aí que entra o intercâmbio.

Para começar, esqueça a idéia de que para viajar precisa ter muito dinheiro, isso não é verdade. É possível explorar lugares incríveis mesmo tendo um orçamento limitado como o meu. É lógico que quanto mais dinheiro, melhor, mas é possível fazer muito com pouco. Conheço pessoas que tem muito dinheiro e não conhecem NADA do mundo, e isso é falta de informação ou falta de vontade. E a vontade , meus amigos, é o ingrediente mais importante para se alcançar qualquer objetivo na vida. Quando você realmente quer uma coisa, não importa se parece impossível, você vai lutar e vai suceder !

Bom, vamos ao que interessa ! Como posso fazer intercâmbio gastando pouco ?


1- Au Pair


É claro que eu começaria falando disso né? Além de ter sido o melhor ano da minha vida, o Au Pair foi o meu segundo intercâmbio e na época o meu gasto foi de aproximadamente 5 mil reais. Incluo neste valor os meus gastos com visto e taxas da agência, como inscrição, entrevista, valor do programa e etc. Em 2011 embarquei para Nova Iorque pela Cultural Care, agência pela qual tenho alta estima e recomendo sem restrições, pois o suporte é pleno do início ao fim, tanto no Brasil como nos Estados Unidos.
Os pré-requisitos para ser uma Au Pair variam de acordo com o país de destino. Nos Estados Unidos por exemplo, é requisito que se tenha entre 18 e 26 anos de idade, carteira de motorista (e saber dirigir), 200 horas comprovadas de experiência com crianças, inglês intermediário e principalmente, gostar de crianças, pois este será o trabalho da au pair durante um ano, ou dois, pois existe a possibilidade de estender o programa.
Estes requisitos são básicos para se inscrever, o que vem depois disso são exigências específicas que variam de acordo com a host family. Algumas famílias buscam apenas au pairs que tenham experiência com crianças menores de 2 anos de idade, outras buscam au pairs que tenham muita experiência com direção, ou que seja de uma nacionalidade específica. É preciso que as suas habilidades , personalidade e hábitos se encaixem com as necessidades e perfil da host family, para que aconteça o match (quando uma host family escolhe você e você aceita). É como uma entrevista de emprego, tudo é levado em consideração para o match e quem faz as combinações é a agência.
A melhor parte do au pair é que você tem a oportunidade de morar com a família americana, então não há gastos com estadia e comida. O trabalho desenvolvido pela au pair envolve tudo que tenha relação com as crianças, desde cuidados com as roupas, brinquedos, alimentação, acompanhá-las em suas atividades, enfim, ser como a irmã mais velha delas durante 45 horas semanais e receber o salário semanal de USD 195,75. Existe ainda o benefício de USD 500,00 para custear um curso de sua escolha em alguma universidade americana, pois para finalizar o programa, é necessário que você comprove que estudou e obteve os créditos. Por fim , a au pair tem direito a duas semanas de férias remuneradas, que são combinadas entre a host family e a au pair.

É um programa incrivel? SIM !

É para qualquer pessoa? NÃO !

É fundamental que você goste genuinamente de crianças e que esteja ciente de que está indo para trabalhar. Tendo isso em mente e como prioridade, o seu ano como au pair tem tudo para ser um sucesso e inesquecível assim como o meu.


2- AIESEC

Este intercâmbio está na minha lista de futuro intercâmbio que irei fazer ! Já pesquisei bastante e cheguei a conclusão de que é barato e o objetivo une a nobreza de doar seu tempo para uma boa causa e o prazer de conhecer um país novo.

Basicamente, você escolhe o país e a organização para a qual vai trabalhar, tudo isso antes de embarcar. Há uma taxa de inscrição e os demais gastos seriam com passagem, visto e seguro. Como já estou cadastrada no sistema deles , onde as organizações postam as suas vagas, benefícios e requisitos, dá pra ter uma idéia geral de gastos. Algumas organizações oferecem hospedagem, até três refeições por dia e transporte para o local de trabalho. Então as suas despesas variam de acordo com a vaga. Se você escolhe um país mais próximo por exemplo, economiza com a passagem aérea. Se a vaga que você escolher oferecer mais refeições e transporte, já são mais duas despesas a menos. O horário de trabalho também muda de acordo com a vaga, então é tudo bem flexível e só depende da vaga que você escolher. 
Os requisitos para ser um cidadão global pelo AIESEC são :

  •  - Ser graduando, pós-graduando ou formado em até 2 anos.
  •  - Ter de 18 a 30 anos de idade
  •  - Inglês ou espanhol intermediário

Para mais informações, consulte o site.


3- Curso de idioma negociado direto com a escola/universidade

Em 2008 eu fiz um curso de inglês na Universidade do Alabama em Tuscaloosa. Foi a primeira vez que sai do país sozinha e tudo era novo e emocionante. Na época o gasto foi de 10 mil aproximadamente, incluindo passagens aéreas, alimentação, estadia no campus da universidade, seguro saúde, taxas de inscrição e o valor do curso. Não afirmo que 10 mil seja um valor barato, mas é mais barato do que fechar um curso com uma agência, que cobra taxas em cima de tudo que você contrata. A Universidade do Alabama é enorme, o campus é lindo e lá tem de tudo que você possa imaginar. Encontrei com poucos brasileiros, uns 4 ou 5 em um campus gigante onde vivem milhares de alunos, o que me ajudou muito a focar no curso e não ficar falando português. 



Se você sabe de alguma dica legal pra viajar gastando pouco, compartilhe aqui nos comentários.


11 de jun de 2015

Querida mamãe

As vezes sinto saudades de coisas que eu nunca tive, de pessoas que eu nunca vi e lugares que nunca frequentei. As vezes sinto falta de todos os abraços que deixaram de existir quando você se foi, de todos os sorrisos que não puderam e jamais serão compartilhados entre nós novamente.
O vazio é um espaço que nem sei mais medir, as vezes parece que é aquele buraco na alma, fundo e escuro, inacessível e talvez por isso, impossível de se preencher.
Procuro ser forte desde que você partiu, as vezes muito mais do que realmente sou. Talvez eu tenha gasto tempo demais fingindo ter uma força que eu nunca tive. Talvez as lágrimas que hoje escorrem sejam todas as lágrimas que deixei de chorar durante todos estes anos. Muitas vezes eu sorri sem sentir o riso em mim, parti sem sentir saudades de nada, porque nada me fazia mais falta. Nem eu mesma, nem meus planos, nem meus sonhos. Talvez por isso eu tenha vivido de forma tão intensa e inaceitável pela maior parte das pessoas comuns. Fui longe, não para ir e aprender, fui para fugir. Todas as vezes que comprei passagens foi para tentar ir embora, tentar ver se eu conseguia tirar esse vazio de mim. Ainda não consegui.
O buraco fica cada vez mais fundo, o escuro fica cada vez mais medonho e a solidão se instalou nas raízes mais profundas do meu coração como uma praga de jardim. Vivem me dizendo que eu tenho sorte, que minha vida é perfeita. Só queria que todos soubessem que não é bem assim. Nada é perfeito. Tudo teve um preço alto, as noites, os amigos, as viagens, os sonhos, todas as loucuras que eu já fiz nessa vida, paguei com o restinho de esperança que existia em mim. Coloquei todas as minhas energias nas coisas mais banais e passageiras, mas por favor, não me julgue, pois se fiz isso foi para tentar preencher aquele vazio que eu tanto te falo.
E então cheguei aqui, depois de gastar toda a minha energia vital para viver intensamente como se não houvesse amanhã, eu finalmente me cansei. Mas a culpa também é sua, pois sua partida brusca me fez ter medo. Eu tinha apenas 11 anos quando comecei a sentir essa grande ansiedade que em mim habita, esta grande vontade de fazer o máximo que eu puder em pouco tempo, essa pressa de viver e ter tudo o mais rápido possível. Eu sou apressada porque quando você foi embora eu pensei que eu iria também. Fiquei com medo que minha vida fosse tirada de mim igual a sua, de forma cruel e abrupta.
Depois de todas as loucuras comecei a perceber que eu não era igual as outras pessoas, tinha alguma coisa diferente em mim , algo que me impedia de me encaixar em qualquer lugar que fosse, como uma peça de quebra cabeça perdida. Cresci ouvindo que eu era louca, que meu jeito de viver a vida era peculiar. Acho que me cansei de ser diferente das pessoas, pelo menos uma vez eu gostaria de me sentir igual, e então eu fiz de tudo para parecer igual. E este foi mais um erro que jamais poderei reparar. Para ser igual eu precisei sofrer mais um pouco, abrir mão do meu espírito aventureiro, mas eu já estava tão cansada de andar por aí, que ficar em um local fixo por um tempo me pareceu ser uma grande aventura. Mas me perdi, acabei me prendendo nesta jaula e agora não sei mais como sair, não sei onde eu deixei a minha coragem. Por isso, sinto-me triste, cheguei a conclusão de que estar longe e viver intensamente não me faz tão bem, mas ser igual aos outros e viver uma vida comum me faz infeliz.
Este é o momento em que eu precisaria do seu abraço, de um conselho diferente dos que eu estou cansada de ouvir. Este é o momento em que eu precisaria saber que existe pelo menos uma pessoa no planeta que entenda exatamente como eu me sinto, e que não me julgue por isso ou me diga que eu preciso crescer.
Eu não preciso de um sermão, apenas de um coração amigo.

Eu sinto sua falta :/