26 de mai de 2015

O que eu aprendi com a Dermatite Atópica




Crescemos cientes de que somos diferentes, uma diferença que muitas vezes nos incomoda e nos faz chorar. Crescemos sabendo que talvez as coisas demorem algum tempo para melhorar, e então, nos desesperamos, apenas para tornar mais aguda a dor que já é lancinante em demasia.
Observamos o mundo ao nosso redor como crianças, descobrimos coisas novas todos os dias. Métodos, meios, fins e tudo que possa nos ajudar a viver melhor de alguma forma.
Eu entendo a dor, eu sei como é, eu já estive no seu lugar, EU SOU VOCÊ!
Somos todos um, somos todos grandes entendedores do significado de perseverança e persistência, e mesmo com todas as adversidades, conseguimos ter fé e sermos solidários entre nós.
Temos algo em comum, nossa pele é diferente e muitas vezes não nos aceitamos como somos, porque dói, arde, coça e machuca.
Não nos aceitamos porque as vezes cansa ! Cansa ir ao médico para ouvir tudo o que já sabemos, gastar dinheiro com remédios que não fazem efeito algum, desperdiçar nossa vida em busca de uma cura que não foi ainda descoberta pela ciência.
Mas aprendemos a viver assim, eu aprendi! Aprendi que eu nunca quero olhar para alguém do jeito que me olham quando eu sangro, pois isso machuca mais do que qualquer facada pelas costas.
Aprendi que existem regras gerais para a pele e nem preciso mais de manual para me lembrar, e que muitas vezes, tudo o que eu sei se aplica aos outros também, então o meu conhecimento pode ajudar outras pessoas e isso é incrível.
Aprendi que o sofrimento faz parte da vida e deve ser encarado com naturalidade e calma, assim como recebemos as alegrias, devemos receber o sofrimento e olhar para ele como uma agravante passageira.
A dermatite atópica fez de mim uma pessoa melhor, sei que hoje não sofro nem metade do que já sofri, mas sei que existem milhares de pessoas que passam por tudo que eu já passei, e me sinto na obrigação de dizer que vocês não estão sozinhos, pois me fez muita falta ouvir isso quando eu estava mal.
Hoje é tudo mais fácil, descobrir que existem outros atópicos no mundo me traz esperança, pois juntos podemos muito mais. Antigamente não era assim, eu vivi por muitos anos achando que eu era a única, e hoje sei que não, e saber que não estou sozinha faz toda a diferença.
Eu aprendi a olhar para a minha pele como se ela fosse um reflexo da minha alma, do meu estado de espírito e do meu humor. Minha pele é a demonstração física e palpável de todos os meus sentimentos e pensamentos mais profundos.
É quando minha pele começa a ficar vermelha que eu sei que algo dentro de mim está errado, como um alarme de incêndio, a pele pede para que a gente pare e observe.
Aprendi a amar quem eu não conheço e muitas vezes me pego pensando e torcendo para as crianças que vão crescer como eu cresci. Me pego desejando a elas toda a sorte do mundo e me colocando a disposição para ajudar e apoiar , não importa como.
Acho que acima de tudo, depois de 24 anos de dermatite atópica, eu aprendi que não importa quantas crises , sangue, dinheiro desperdiçado, tentativas falhas, remédios que pioram nosso estado, e todas as outras coisas que parecem ser TÃO ruins, eu vou me sentir mais forte a cada dia que passar, a cada crise superada eu serei melhor do que fui no dia anterior. Me sinto mais capaz por ter superado tantos dias cinzas e hoje estar aqui e bem. Isso serve para me lembrar, que tudo nessa vida passa, então sempre que uma crise se inicia, eu me sinto forte o bastante para enfrentá-la e continuar vivendo como se minha pele fosse igual a das outras pessoas. Me tornei uma pessoa positiva porque a dermatite atópica me ensinou que posso me regenerar de dentro pra fora, todos os dias e só depende de mim.  Meu maior objetivo nessa vida é levar essas mensagens para o maior número de pessoas possível, e eu não vou descansar até que todos os seres deste planeta que tem dermatite atópica saibam que não estão sozinhos.

Este texto foi escrito especialmente para os meus amigos do grupo de atópicos do Facebook, Não tenho palavras valiosas o suficiente para agradece-los por todo o apoio.