31 de mar de 2015

Prioridades




Existe uma diferença entre esforço e sacrifício, um é necessário e o outro pode causar danos irreparáveis. A busca do equilíbrio na rotina é essencial para a nossa qualidade de vida. Não sou a favor de deixar de almoçar e dormir para trabalhar e estudar mais por exemplo, coisas que pessoas ao meu redor  fazem repetidamente. Sempre que me deparo com esse tipo de situação, me recordo dos avisos de procedimento de segurança dos aviões “Em caso de despressurização as mascaras de oxigênio cairão automaticamente. Caso esteja acompanhado de alguém que necessite de sua ajuda, coloque sua máscara primeiro para em seguida ajudá-lo.”


 Portanto, visualizo claramente essa mesma mensagem nas coisas que fazemos. Deixar de comer bem, não dormir o suficiente, aceitar mais projetos do que conseguimos lidar, é como um suicídio diário. Pode até parecer que estamos fazendo tudo isso por que acreditamos em um sonho, e isso é realmente admirável, mas o mais importante é estar vivo e com saúde para ver esses sonhos se realizarem. Afinal, de que adianta ficar sem comer, dormir pouco, sofrer stress por excesso de trabalho, provas, obrigações que tem que ser cumpridas, se no final do dia estamos cansados demais até mesmo para darmos atenção para nossa família? Cansados demais para tirar a roupa do corpo, se jogar na cama de qualquer jeito e dormir profundamente até o dia seguinte, e adivinhem ? Acordar cansado e sem ânimo para enfrentar mais um dia de luta !

É preciso entender nossos próprios limites, saber até onde o que fazemos é esforço ou se já virou sacrifício. Pra começar, ninguém deveria se sacrificar por nada, devemos valorizar nosso bem maior, que é a vida, a nossa saúde , nosso bem estar. Tendo isso, o resto vem consequentemente de acordo com a nossa determinação. Uma pessoa saudável pode ficar menos tempo no trabalho e ser muito mais produtiva para a sua empresa do que uma que fica mais tempo porém vive cansada e desmotivada. Eu sei que é fácil falar e difícil de mudar, a maioria das pessoas que eu vejo são batalhadoras, acordam cedo, trabalham, estudam, resolvem mil problemas pessoais e alheios e ainda conseguem colocar um sorriso no rosto, mas me pergunto, até quando ? Um dia o corpo cansa, um dia a saúde pede socorro, o nosso corpo fala conosco através de sinais simples, os quais não damos a devida atenção. Não adianta querer resolver nossa sonolência excessiva dormindo 15 horas no fim de semana e muito menos nos entupir de analgésicos para mascarar as dores de cabeça. 


Ter saúde é uma atitude diária. É preciso sim, parar para avaliar o que estamos fazendo com a nossa vida, basta conversar com nossos avós e perceber que na época deles, pessoas jovens não eram tão suscetíveis à doenças como os jovens nos dias de hoje. Pelo menos é o que me parece, nunca vi tanta gente nova tomando remédios controlados para tratar inúmeras doenças que se tornam cada vez mais frequentes. Isso não está certo e não estamos dando a devida importância a este fato. 



O equilíbrio é algo diferente para cada organismo, devemos nos analisar e nos permitir o auto conhecimento de uma forma eficaz. Ouvindo os pedidos que o nosso corpo nos envia, conseguimos encontrar esse equilíbrio com maior facilidade. Então, vamos começar a tratar o nosso corpo com o mesmo carinho que dedicamos ao nossos trabalhos e estudos. Vamos cuidar da nossa casa, do nosso templo, alimentando-os com alimentos de qualidade, praticando exercícios que nos faz sentir bem, estando em contato com aquilo que nos inspira, nos motiva, nos move pela vida, pode ser qualquer coisa, mas não deixemos de ter o prazer de sentir a vida pulsando em nós em sua forma mais plena e bonita.

É tudo que eu desejo para mim e para todos. Uma vida que seja boa de ser vivida, um plantio que gere colheita farta e boa, lições que nos façam crescer espiritualmente, fortalecendo nossa confiança, alimentando nossa esperança e laços entre entes queridos, sempre nos desafiando mas nunca nos reprimindo.