8 de jan de 2015

Sentimento e razão


Desde pequenos somos incentivados a não mostrar nossos sentimentos. Nos ensinaram a ler e interpretar textos, fazer cálculos, pensar antes de agir. Mas de que adianta tudo isso ? Não somos robôs, não somos programados para agir perfeitamente o tempo inteiro, é evidente que não, mas também não nos ensinaram nada sobre como lidar com nossas emoções. Acho incrível que o homem já tenha chego na lua, mas ainda não saiba lidar com uma crise de ciúmes, não saiba enfrentar uma perda. É absurdo ter tanta inteligência, tanta razão , os instrumentos ideais para conquistar qualquer coisa na vida, exceto o entendimento do que se passa em nossa alma. Nos apaixonamos sem querer, rimos das coisas mais estúpidas, choramos sem saber por que. Não existe ainda tecnologia, razão, teorias que expliquem como funciona o coração. Os medos e anseios que se passam por trás do sorriso casual nas reuniões do escritório, a alegria que brota do vazio, a tristeza que as vezes parece não querer mais ir embora. Por que ? Por que somos tão vulneráveis, instáveis, confusos, complexos, enfim, HUMANOS, e ainda é tão errado demonstrar o que verdadeiramente sente, falar o que realmente pensa? Se no fundo somos todos um pouquinho iguais, qual o problema em compartilhar nossa loucura ?
Fico aqui apenas observando e tentando entender, tentando me achar, me procurar nos erros alheios, para evitar que eu cometa os mesmos exageros. As vezes é difícil, se digo o que sinto, logo me dizem para que eu seja racional. Mas não há valor algum na razão no campo das emoções. A minha inteligência e as minhas conclusões, frutos de anos de pensamentos fundamentados em experiências próprias, nada valem diante do meu sentimento de fúria e indignação por aquilo que eu sei que não posso mudar. Talvez seja apenas um capricho, talvez eu ainda não aceite viver em um mundo onde os sentimentos são massacrados pela razão o tempo inteiro. E se eu não souber explicar de onde vem a minha raiva, por que eu sinto tanto ódio do passado de quem eu amo, e se eu não souber ao menos explicar o por que eu amo alguém ? E se eu não souber explicar o por que eu sinto tanto ciúmes, mesmo sem motivo, isso não muda o fato de que o sentimento está ali e é real. Não preciso de motivos para fundamentar os meus desejos emocionais, eles simplesmente existem e eu lido com eles me deixando sentir. As vezes de uma forma exagerada e escandalosa até pra mim. Mas eu me recuso a desperdiçar um segundo sequer, fingindo ser quem eu não sou, não falando a minha verdade, que pode sim, mudar conforme as nuvens passam no céu, mas são para mim, a coisa mais importante, a definição de todas as coisas que eu posso ser. Talvez eu seja meio louca, que seja loucura então. Prefiro viver a sincera loucura de ser eu mesma durante a vida toda , do que uma falsa imagem de algo que nunca existiu, e me encontrar no fim de minha vida , desejando com todas as minhas forças poder voltar e fazer diferente.
Não espero que muitos entendam o que eu quis dizer. Raramente entendem.