26 de nov de 2015

Minha mãe morreu

De tempos em tempos sinto vontade de escrever para você, sei que me sentiria mais segura se você ainda estivesse aqui. Sei que muitos do meus medos e confusões seriam inexistentes se sua presença não fosse ausente. Ninguém nunca vai substituir esse vazio, nenhuma caneta pode escrever a história que jamais aconteceu porque a vida decidiu abandonar seu corpo físico. Não vou falar em religião, mas sei que você vive de alguma forma, acredito nisso tanto quanto acredito que nosso amor será eterno. Já faz tempo que não sinto sua presença, eu me afastei, procurei reprimir todos os sentimentos de saudades, todas as lágrimas de tristeza pela partida antecipada, me escondi atrás de um sorriso falso e uma segurança construída sobre areia invés de pedra, sendo assim fiquei suscetível ao fracasso. Mas apenas o fiz pois muitas lágrimas foram derramadas sem que qualquer solução fosse encontrada. Percebi que chorar não iria resolver, que falar sobre o quanto isso me machucava não iria me ajudar a superar. Percebi que sentir falta de alguém que eu nunca mais vou poder ter era uma tortura agonizante em demasia, tal como a alegria falsa que expressei para as pessoas ao meu redor. Ambos contribuíram para que eu me tornasse o que sou hoje, um ser que tenta ao máximo entender a morte e aceitá-la, e eu fui muito boa nisso. Me convenci a me adaptar as perdas da melhor forma, mas pela primeira vez na minha vida admito que isso me fez mal. 
É a primeira vez, sim, neste exato momento, 14 anos depois, que eu estou pensando que talvez eu deveria ter me permitido chorar mais. Eu deveria ter ficado muito mal, deveria ter deixado a emoção me dominar, quem sabe assim poderia me sentir mais leve hoje. Carrego o peso de milhões de lágrimas que nunca foram derramadas dentro de mim. Talvez por isso minhas costas doam tanto, talvez por isso eu ainda tenha pesadelos nos quais você volta para me explicar o porquê de ter ido embora, e nestes pesadelos você nunca morreu, apenas teve que ir sem se explicar. Como você explica isso para uma criança de 11 anos? Não sei dizer, mas se uma mulher de 25 anos não consegue entender, quem dirá uma menina de 11. Só sei que os pesadelos continuam, e a explicação fica para o próximo pesadelo pois sempre acordo no momento em que você vai finalmente me contar o que aconteceu. 
As vezes sinto falta de algo que não sei o que é, aí eu me lembro de você, que por tantos dias me forcei a esquecer. Mas não me julgue, se fiz isso foi para tentar viver melhor, tentei seguir em frente. E me forcei tanto que as vezes nem me lembro mais como era ter mãe, me forcei tanto que nem ao menos posso compreender quando vejo meus amigos falando sobre suas mães, acho estranho quando me falam que a mãe faz isso e aquilo por eles, pois eu sempre fiz tudo por mim mesma, então tenho dificuldade para entender esse conceito. Não tem como explicar a cor do céu para quem nasceu cego, não se explica o som de um violino para quem nasceu surdo. Não entendo o conceito da presença materna na vida pois é como se eu tivesse nascido sem mãe, já me esqueci como era.
Minha memória é cada vez mais falha, temia o dia em que não lembrar-me-ia de nenhum resquício, e é o que acontece agora. Há pouco tempo atrás eu ainda me lembrava da sua voz, do seu cheiro, da sua pele, mas estas coisas mundanas já se foram junto com minhas melhores lembranças. Já esqueci de tudo, só tenho fotos e histórias que se misturam na minha mente confusa, em breve sei que talvez nem das histórias lembrarei. Por isso escrevo, escrevo para eternizar o que minha falha mente corre o risco de esquecer. Escrevo para exteriorizar minhas feridas não cicatrizadas. Escrevo para não mais guardar sozinha a dor que me assola desde sua partida. Escrevo para dizer que o que eu mais temia aconteceu, eu nem posso dizer que sinto sua falta, pois não me lembro mais de você.


Eu sinto muito :/ 

23 de nov de 2015

Ansiedade antes da cirurgia

Hoje eu queria fugir dos padrões do blog e falar sobre algo extremamente pessoal. Meu namorado já deve estar cansado de me ouvir reclamar de medo e ansiedade, meus amigos se preocupam mas não acredito que me entendam ou queiram me ouvir falando sobre isso. Sinto que já não tenho mais com quem falar sobre esta aflição do satanás que me incomoda e como o pensamento livre é um lugar para, bem, pensamentos livres, quero falar para vocês um pouco do que se passa na minha mente.
Há algum tempo atrás (1 mês) eu comecei a sentir uma dor muito filha da puta no peito, depois de ir no pronto socorro pela terceira vez, finalmente recebi um diagnóstico : cisto mediastinal. Não vou saber explicar o que é isso, mas vamos chamá-lo de "COISA". A coisa é basicamente um cisto de aproximadamente 5 centímetros localizado entre os meus queridos pulmõezinhos e que está me causando MUITA dor. Vou ter que solucionar a coisa na próxima segunda feira, dia 30/11. Já faz um mês que marquei a cirurgia, e foi um mês tenso pois me considero uma pessoa ansiosa. As vezes eu fico tranquila, esqueço que no fim do mês meu corpo vai ser aberto, esqueço que morro de aflição dessas coisas e consigo ficar de boas. Mas agora FALTA SÓ UMA SEMANA, e está sendo muito difícil lidar com o medo. Não é algo que eu controlo, não escolhi me sentir assim, eu tento de tudo pra esquecer mas sempre me volta ao pensamento.
Eu não queria ter que lidar com isso, não gosto de hospital, tenho pavor de agulhas, tenho medo de sangrar até morrer, tenho medo de sentir dor e estar paralisada para conseguir avisar, tenho medo de que alguém espirre e caia gotinhas de espirro dentro de mim, tenho medo que algum instrumento médico seja esquecido dentro do meu corpo, tenho medo de continuar sentindo tanto medo pelos próximos dias porque honestamente, é uma bosta.
Realmente, escrevo isso sem expectativas de receber comentários diferentes dos quais já ouvi , coisas do tipo "vai dar tudo certo", "que bom que você tem a oportunidade de cuidar da sua saúde" e "fica tranquila" (HAHAHA ESSE É O PIOR). Nada disso me ajuda a sentir menos medo e  ansiedade, por mais que eu converse com 50 pessoas, sei que nenhuma delas consegue se por no meu lugar e falar "mano, eu também estaria com o cú na mão se fosse você". Talvez um comentário mais honesto me ajudasse mais do que simples frases de incentivo feitas por outros. Sinto que ninguém além de mim dá muita importância pra isso, sempre tive que guardar meus medos pra mim mesma pois falar abertamente sobre o quanto você é fraca e humana afasta as pessoas de você. Ninguém quer estar próximo de um ser humano medroso, que não consegue controlar suas emoções e que chora por qualquer coisa. E os poucos seres humanos que eu confio já não devem aguentar mais me ouvir reclamar, por isso estou aqui.
Preciso dizer mais uma vez que estou ansiosa, que não tenho condições psicológicas para lidar com isso, que estou prestes a ter um colapso de medo e já pensei seriamente em cancelar tudo e fugir. Na prática estou lidando bem, não vou cancelar nada, vou chegar lá e fazer o que deve ser feito, não vou chorar nem gritar (mentira) e não farei as coisas serem mais difíceis. Ainda vou pro trabalho normalmente, leio, estudo, faço planos e cuido do gato, não deixei minhas emoções tomarem conta de mim, mas não aguento mais guardar todo esse medo sozinha, por isso estou dividindo ele com vocês agora. Só quem já surtou de medo e ansiedade vai me entender, e nada quero além de compreensão, afinal, ninguém merece passar por nada nessa vida sozinho. 

Acho que até me sinto melhor depois de escrever isso.

28 de out de 2015

Eu vs Dor

A dor !
Aquele enorme vazio perfurante que se espalha pelo peito, aquela vontade de só deitar e dormir para ter um pouco de paz. A perda da fome, a perda da vontade de estar de pé. É com lágrimas nos olhos que me forço a ser um pouco mais forte. Mais do que fui ontem, muito menos do que terei que ser amanhã. Não posso deixar que a melhor parte de mim vá embora, meus sonhos ainda estão tão vivos, meus pensamentos são tão positivos, eu juro. Mas a dor ainda está lá, não é uma dor emocional, bem que poderia ser.
A dor me cutuca o dia inteiro, me lembrando que sou apenas um corpo frágil habitado por uma alma forte. E me permito ser forte, ignorar a dor, fingir que ela não está lá. Ao ver as agulhas fecho os olhos, penso em coisas boas, lembro do meu filhote de gato me esperando em casa. Ao ver o sangue, finjo não me sentir nauseada. Enquanto caminho, caminho com esperança, tenho fé em mim mesma, tenho fé em minha coragem e orgulho das minhas cicatrizes. Cada luta superada foi uma guerra vencida, e eu sou a campeã. E tantas vitorias me transformaram em um ser cada vez mais forte, cada vez mais destemido. Mas a dor ainda está lá, e as vezes eu esqueço de toda essa força que habita em mim e me permito sentir, me permito por breves momentos ser apenas humana, me permito chorar, me permito sentir ódio por estar sentindo uma dor que eu não deveria estar. Eu não tenho que ser forte o tempo todo afinal. Queria trocar de corpo com alguém por pelo menos um dia, abrir um zíper nas minhas costas e sair por aí, livre, leve e solta. Mas cá estou , presa na carne, meu espírito tão livre implora para retornar ao verdadeiro lar, mas o momento não é esse. É preciso superar, sentir todas as dores para que eu aprenda a valorizar a vida, aquela que tentei tirar tantas vezes em segredo. Agora todos sabem. Talvez a dor seja merecida, encaro minha punição com a cabeça erguida. Aceito o que a mim foi imposto, talvez por mim mesma, e sigo em frente pensando apenas no melhor. Apesar de tanta aceitação e força, hoje só queria desmoronar e me deixar sentir um pouco de pena da minha própria dor. Conto os segundo para ir para casa, e tentarei me convencer de que amanhã a dor já terá ido embora, mesmo sabendo que isso é fisicamente impossível, ainda acredito que possa acontecer. Pois a dor pode ter levado embora algumas coisas de mim, exceto minha fé.

21 de out de 2015

Mudanças



Eu tinha esquecido o quanto era legal falar com pessoas desconhecidas. Não me lembro ao certo quando eu parei de ser gentil e simpática com estranhos, talvez foi no tempo em que eu estava ocupada demais odiando, brigando e fazendo coisas estúpidas. A mesma época em que eu chorava por não ter amigos e minha vida social era uma droga. Sim, uma semana atrás talvez. Não sei o que aconteceu comigo, mas simplesmente parei com tudo isso. Depois do episódio hospital, muitas coisas mudaram em mim, meu jeito de olhar pra vida, pro céu e para as pessoas. Eu voltei a sonhar, voltei a sorrir, me sinto mais alegre e de certa forma mais jovem, por dentro é como se eu tivesse 16 anos novamente. Eu estou me descobrindo de novo, fazendo coisas que eu gostava tanto de fazer e tinha parado por motivos obscuros da minha alma solitária. Voltei a sorrir para todos, voltei a puxar conversa em todas as oportunidades que tenho, voltei a ouvir e me interessar pela história dos outros. E assim meus dias tem passado mais rápido, as horas parecem mais interessantes, eu aprecio cada segundo com vivacidade, lendo, pesquisando coisas legais, sonhando alto e imaginando possibilidades. Voltei a ser romântica, voltei a fazer amigos, voltei a amar a vida do mesmo jeito que amava quando era tão pequena. Ainda vejo o mundo com os mesmos olhos de criança, sei que minha fase ruim não foi uma mudança de caráter e sim um pequeno desvio de caminho, um momento em que usei vendas nos olhos e sedativos fortes para amortecer a mediocridade do meu ser. Consigo ver agora, finalmente, que tudo foi um grande pesadelo mas acabou, eu acordei e estou aqui de novo ! Pronta para receber o melhor que a vida tem pra me dar, pronta pra falar com as pessoas como eu fazia quando era mais jovem, pronta para sorrir, pronta para viver o melhor e nada menos do que isso. 
Eu voltei. 

19 de out de 2015

Saindo do hospital \o/

Quando se passa tempo demais dentro de um lugar, sair dele é um momento mágico. Talvez eu seja sensível demais, talvez minha pele tenha reações em demasia quando tocada pelo sol e pela brisa fresca da tarde. Aquelas tardes que perdi enquanto não podia estar lá fora, enquanto não podia estar em qualquer outro lugar. Busquei refúgio em minha mente, em pensamentos livres que voavam longe da minha dor, a dor física, a dor invisível, a dor da alma. Fugi para os alpes suíços que ainda não conheço, para os montes verdes que a Heidi tanto ama. Fui para longe buscar o conforto que não podia encontrar no quarto frio do hospital. Em voo noturno visitei os mares, aqueles que tanto me alegram quando já nem cabe mais tanta alegria em mim, aqueles que eu pensei por um instante, que nunca mais fosse ver. Eu imaginei um futuro diferente, cheio de cor, cheio de letras, canetas, livros e poesias que aquecem o coração. Imaginei um roteiro perfeito, histórias que mudariam a forma como o mundo pensa. Percebi que tudo que faço hoje não vai me ajudar a chegar nesse futuro tão lindo que imagino para mim, é preciso mudar o plano de voo. Talvez as coisas comecem a ser realmente bonitas agora que existe um sonho novo, já me sinto diferente, tomar decisões é algo que muda a gente, mesmo que tudo ainda pareça tão igual, por dentro tudo é novo. Novos sonhos, novo fôlego, novos anseios, novos horizontes. É como nascer de novo e eu não poderia estar mais feliz.
É o que acontece quando você sai de um lugar depois de tanto tempo, aquela sensação que se tem quando abrimos a janela de um quarto escuro e o sol do meio dia invade tudo com seus raios. Toda a poeira se sacode, todo o ar se movimenta, os olhos se fecham tentando protege-los de tamanha claridade. E então o corpo volta a se acostumar com a luz, com o jeito que a vida brilha independente dos seus temores e receios. É assim que me sinto hoje, queria que todos soubessem o quanto é lindo poder sonhar de novo.

16 de out de 2015

A vida é curta

A vida é curta demais para deixar que algo tāo estúpido quanto o medo nos impeça de realizar sonhos. Todos os dias de manhā nossa estrada é menor do que foi ontem e um pouco maior do que será amanhā, entāo por que nāo usar este precioso e minúsculo tempo no espaço para fazer aquilo que realmente te faz sorrir? A vida é curta demais para nos darmos o luxo de realizar nossa grande ambiçāo no futuro, é curta demais para deixar para depois, curta demais para se deixar ser vivida pela metade. Viva inteiro, viva completo, viva o seu certo mesmo que seja errado para o resto. Muitos tem sorte de seguir seus instintos mais profundos desde o nascimento, com um pouco de coragem e ousadia, finalizam suas vidas com maestria, deixam para trás sorrisos, inspiraçāo, conclusões de uma jornada bem vivida. Outros apenas seguem o fluxo, vendem seus sonhos pela matéria, suas almas para a luxúria tāo passageira, seus desejos profundos sāo mascarados pela ganância, pela inveja, pela cobiça. Acho que fui uma dessas pessoas por algum tempo, até ontem talvez. Algo em mim despertou, finalmente consigo enxergar que o que realmente importa é viver da forma mais fiel a mim mesma, pois sou a única pessoa do mundo que eu jamais conseguirei enganar, a única que sabe que todas as mentiras que eu falo nāo sāo reais, a única que conhece verdadeiramente o que minha alma clama e almeja desde sempre. Muitos podem falar por mim, opinar, dizer que me conhecem, mas isso é impossível, pois a alma é intocável, irreconhecível para qualquer ser que nāo seja você mesmo.
Eu decidi lutar, nadar contra a corrente, fazer diferente, mudar ! Eu decidi crescer, mesmo que os outros achem que isso seja dar um passo para trás, para mim significa andar cinco passos para a frente, o maior passo da minha vida talvez. Eu decidi arriscar, viver hoje como se fosse o meu último dia, pois quando achei que fosse, me senti imcompleta e infeliz por nāo estar fazendo aquilo que realmente gosto, aquilo que eu acredito, aquilo que me faz sentir mais viva, melhor, maior e me faz vibrar intensamente tamanha a alegria. Eu tenho palavras para dizer, tenho mensagens para distribuir e é isso que irei fazer. Sei que muitos irāo me ouvir enquanto outros rirāo pelas minhas costas, mas a jornada é minha , e sabendo que eu estou no meu próprio caminho, nada me impedirá de ser o ser mais feliz e completo do universo. Eu me recuso a continuar vivendo do jeito que estou, nāo tomarei precauçāo alguma para mudar. Quando você tiver a sombra da morte nos seus ombros, por um minuto que seja, ou uma noite de pura e angustiante espera, talvez você entenda o que eu quero dizer. Por enquanto, basta ter em mente a seguinte pergunta : " Se eu morrer amanhā, morro feliz ? ".


1 de out de 2015

Eu só quero ser feliz



Eu quero acordar de manhã e abrir a janela, deixar o sol entrar, deixar a pele queimar. Eu quero ir a pé para o trabalho para poder apreciar a paisagem, as cores das árvores, tão lindas na primavera, especialmente as roxas. Eu quero sentir a chuva molhar os meus cabelos e não me preocupar, sentir o cheiro fresco das plantas e apenas com isso me alegrar. Eu quero dar bom dia para os estranhos, sorrir de volta para as crianças que sorriem pra mim, quero ajudar alguém a carregar sacolas, quero auxiliar uma idosa enquanto ela atravessa a rua, quero pagar o almoço daquele mendigo que fica sentado na esquina, pelo menos uma vez, pelo menos um dia. Eu quero espalhar meus sorrisos por todos os lados, quero contagiar o mundo com a minha alegria, quero enfeitar a vida alheia com rimas e poesias. Não mais sobre as lágrimas que já secaram, não mais sobre os amores que abandonam, não mais sobre nada que um dia me partiu o coração. Eu quero o sol, o verão, o mar, areia, água gelada, sucos de frutas doces, dancinhas ridículas com as minhas amigas, festas que não tem horário para terminar. Eu quero rir de tudo, rir de todos, rir com tudo e rir com todos. Eu quero um dia mais longo, uma vida mais branda, um peso mais leve e uma mochila com tudo que eu preciso dentro. Quero distribuir o que há de melhor em mim  ao mundo, pois já causei danos demais. Eu só quero ser feliz ! Quero ver filmes de madrugada, comer pipoca e coca cola, dormir no sofá e acordar me sentindo ótima de manhã. Eu quero cumprir minhas tarefas aqui e agora, não deixar mais nada para depois, não acumular nada para os brilhantes dias seguintes que estão por vir. Eu quero brincar com o meu gatinho, ver ele crescer comigo e ter a sua companhia todas as noites esquentando os meus pés com seus pelos quentinhos. Quero acordar e ouvir músicas que me façam cantar e assim iniciar o dia tirando de mim todas as coisas negativas. Quero ter paz no coração, quero ser suficiente para mim mesma, quero ser feliz ! Quero me formar, umas duas ou três vezes, quero estudar assuntos que eu nunca ouvi falar antes, quero descobrir coisas novas e curiosas, que despertem meu singelo interesse em explorar até que eu canse e parta para o próximo assunto. Quero viajar, brincar, rir, chorar, ler, andar sem rumo, caminhar distâncias longas, me perder, me achar, voltar. Eu só quero ser feliz! Os anos passarão e o desejo continuará sendo o mesmo, meus cabelos brancos voarão ao vento, meus pés descalços balançarão no ritmo das ondas do mar, minha pele enrugada se bronzeará na luz do sol. Nada irá mudar, eu só irei desejar uma coisa: ser feliz! 

27 de set de 2015

Amar quem nāo te ama


Quando você ama alguém é difícil nāo pensar naquela pessoa, difícil nāo querer estar por perto, saber como ela está e querer saber como foi o seu dia. Quando você ama alguém, isso pode ser bom ou ruim, é bom quando é correspondido, quando os pensamentos se encontram e uma ligaçāo se torna inevitável. É ruim quando apenas uma pessoa ama e a outra nāo. É difícil nāo ser correspondido, saber que você é o único que se importa, o único que liga, o único que sonha. 
É difīcil alimentar sentimentos que te causam ansiedade, difícil levantar de manhā sabendo que o seu amor nāo vale nada, nem um segundo do tempo da pessoa que você tanto pensa e quer bem. 
Como aprender a deixar de amar quem nāo te ama ? Como aprender a deixar ir embora um sentimento tāo lindo que deveria fazer bem, que deveria trazer alegria mas ao invés disso só traz angústia ? 
Deixar de amar quem nāo te ama é mais difícil do que qualquer outra coisa, você precisa abrir māo dos seus planos, dos seus sonhos e criar um novo mundo, uma nova vida onde a existência daquela pessoa nāo faça diferença alguma na sua. É preciso criar uma nova história onde o seu personagem é feliz e encontra um milhāo de razões para sorrir, e aquela pessoa definitivamente nāo é uma delas. 
Nāo é uma tarefa fácil, você vai chorar por muitas noites, engolir a indiferença no silêncio, ter que achar forças em algum lugar dentro de você, talvez exista ainda um pouquinho de força para se amar mais, nāo desista, continue procurando.
A vida é bela e deve continuar independente das adversidades que os sentimentos trazem. É preciso persistir, nāo aceitar nada menos do que ser feliz, nāo se submeter as migalhas alheias que ousam chamar de amor, nāo se contentar com palavras vazias, porque até onde eu saiba, dizer que ama nāo significa amar, nem de longe. 
Essa angústia que te consome um dia vai passar, um dia a indiferença nāo vai mais doer, um dia a felicidade vai bater na sua porta e sua única opçāo será abrir, e entāo todo o seu esforço será recompensado. 
Nāo deixe de sonhar só porque alguém nāo soube valorizar o melhor que havia dentro de você, nāo deixe de tentar só porque suas tentativas anteriores falharam. Tudo nessa vida é passageiro, até mesmo o amor que você achou que seria para sempre.

24 de set de 2015

Sobre a felicidade e o desapego




Eu cresci sendo convencida de que para ser feliz eu precisaria de uma lista de coisas. Uma lista bem comum e parecida para milhares de seres humanos. Me disseram que eu precisava de um trabalho legal, me falaram que sem uma graduação eu nunca seria ninguém na vida. Me fizeram acreditar que a felicidade está no resultado de conquistas materiais, em ser parte de uma família, ter filhos, sucesso na carreira e um saldo positivo no banco.
Mas eu me lembro que nos momentos mais felizes da minha vida, nenhum item dessa lista estava incluso. Acho que é porque a felicidade é diferente para cada um e é injusto que essa idéia padronizada de felicidade nos seja vendida deste o nosso nascimento. Fazendo com que tudo que a gente faça, que seja diferente do caminho que nos levará a obter as coisas da lista, seja considerada como uma grande heresia. Eu até entendo que essa lista possa de fato fazer alguém feliz, mas não eu. Cá estou, trabalhando, estudando, me preparando para um futuro brilhante, e nunca estive tão confusa e perdida em toda a minha vida. Parece que depois que comecei a perseguir estes ideais padronizados, meu chão sumiu. Eu já não tinha mais certeza de que viver intensamente e de forma não convencional era o que eu realmente queria para mim. Ninguém me mostrou esse lado, ninguém me vendeu esse ideal. Era apenas uma idéia que eu tinha na mente, um desejo que ardia no coração, pensamentos livres que me elevavam ao estado de felicidade máxima. O erro foi meu, me deixei ser influenciada, me vendi para o sonho alheio, deixei que o mundo me comprasse com a sua propaganda perfeita de uma vida feliz. Mas sabe, nunca é tarde para praticar o desapego , principalmente o desapego daquilo que não te faz feliz. Existe uma grande barreira para o desapego chamada MEDO. E muitas vezes esse medo não tem sentido algum. Tememos as coisas que podem ou não acontecer nas nossas vidas, baseando todas as nossas decisões em cima de algo que é incerto. Que pode acontecer sim, mas talvez nunca aconteça. É preciso arriscar, deixar ir embora aquilo que não cabe mais, jogar no lixo os sentimentos velhos, reciclar-se , dar-se uma nova chance de sonhar de novo, sonhar diferente, sem influências externas, sem pretensões materiais exorbitantes. É preciso se desapegar para se descobrir, somos capazes de tantas coisas, mas talvez a gente nunca vá descobrir o tamanho dessa capacidade e o impacto que ela causaria , pois tivemos medo demais para tentar o novo. Viver o comum é fácil, ir pra faculdade é fácil, trabalhar é fácil, até ter uma família é fácil. Difícil é se achar nesse mar de ilusões, difícil é deixar ir embora aquilo que você está acostumado a ter, nem que seja uma simples idéia, uma pequena ambição de se formar antes dos 30. E por essa idéia, você deixa de viver o agora, deixa de fazer aquilo que você realmente gosta para continuar atrás de um "sonho" que não tem muito fundamento. 
Eu não acho que serei realizada me formando daqui dois anos, só de pensar nisso me dá vontade de fugir e começar tudo de novo. Mas imaginem o quanto de gente vem me dizer que todo o tempo que gastei até agora para chegar onde estou, será desperdiçado se eu tomar um rumo diferente agora? Pensei muito sobre isso e conclui que nada é tempo perdido, tudo é aprendizado, e a vida é curta demais para que a gente persista nos mesmos erros. 
Talvez as coisas estejam começando a ficar mais claras, talvez em breve eu voltarei aqui pra dizer pra vocês que eu me libertei. Que eu finalmente perdi meu medo de largar a faculdade de direito e fui estudar jornalismo que é o que eu sempre quis fazer.
Talvez isso nunca aconteça. Vai depender do nível do meu medo sem fundamento e do tamanho da vontade que eu tenho de me desapegar daquilo que já não me faz bem. E você, do que tem medo, do que você precisa se desapegar para se libertar e correr o grande risco de viver a maior aventura da sua vida, que é descobrir aquilo que te eleva ?

11 de set de 2015

Por que a vida fica melhor quando você liga o FODA-SE ?



Hoje de manhã estava refletindo sobre o quanto a vida é injusta e nos maltrata. As vezes até demais, as vezes quando você mais precisa nenhum filho da puta se propõe a te ajudar. Raríssimas são as pessoas que realmente se importam com a gente de verdade, raras são as coisas que realmente nos trazem alegria para a alma. Me peguei pensando em inúmeras situações em que me calei, deixei passar apenas pra não me estressar, e agora percebo que isso não faz muito sentido. Já evitei discussões, pessoas e lugares, tudo pra não me expor a situações em que eu sabia que iria me magoar. Mas agora pensei melhor e decidi que não vou mais esconder minhas opiniões, meus pensamentos serão mais livres do que nunca, minhas decisões serão tomadas apenas pensando em mim e no meu bem estar. Por que afinal, quem se importa? Cheguei em um ponto de explosão, não vou mais guardar pra mim o que se passa na minha mente, porque estou cansada de ver o mundo cheio de idéias patéticas, gente escrota e traidora e não falar nada sobre isso. Estou cansada de ver as coisas tomando um rumo que eu não quero e me calar. Estou cansada de ver a vida passando e continuar no mesmo lugar. Eu decidi que não mais terei medo, não mais pensarei em prós e contras como uma boa garota deve fazer. Eu decidi ligar o foda-se porque no final, quem se importa ? Timão e Pumba já sabiam disso há muito tempo, que quando o mundo vira as costas para você, você vira as costas para o mundo ! Então é isso ! Vamos todos ligar o foda-se, falar o que a gente pensa sem papas na língua, sem medir se fulano x vai gostar da nossa opinião ou não. Chega de se esconder , chega de não mostrar pro mundo quem nós somos de verdade, chega de não termos nossa liberdade, no final é só isso que levamos dessa vida. Então vamos aproveitar o agora para sermos a versão mais pura e verdadeira de nós mesmos, vamos nos libertar das correntes dos bons costumes e ligar um foda-se bem grande pra todo mundo que tentar nos impedir.

\o/ 

10 de set de 2015

Dermatite atópica e corticóides tópicos




Quem tem dermatite atópica já usou pelo menos uma vez na vida algum medicamento com corticóide. Depois de 25 anos de D.A. fui aprendendo com o tempo o que me fazia bem e o que fazia mal. Infelizmente demorou tempo demais para perceber o quanto o efeito dessa droga pode ser devastador e o quanto ela mais atrapalhou do que ajudou. A pergunta que não quer calar é:por que médicos continuam prescrevendo corticóides descontroladamente para atópicos? Já fui em diversos médicos e rara foram as vezes que me trataram com a devida atenção. Será que eles não aprendem na faculdade que dermatite atópica não tem cura? Será que eles não estudaram os efeitos dos corticóides tópicos a longo prazo na pele de um atópico? Por que é que ainda tratam a dermatite atópica como se fosse uma doença passageira que precisa ter apenas os sintomas combatidos? Não funciona assim, quem tem essa doença há algum tempo sabe muito bem do que estou falando. Sempre que eu estava em crise, eu usava cremes com corticóides, o que me ajudava bastante mas o preço a pagar por essa ajuda mísera e temporária era bem alto. Na semana seguinte, tudo que tinha melhorado com o remédio, voltava duplamente pior. Aí eu voltava correndo pro médico e o que ele me recomendava ? MAIS CORTICÓIDE! Adivinhem o que acontecia uma semana depois ? Sintomas piores, lesões maiores do que as que tinham inicialmente. É um ciclo que não acaba, é horrível, é desumano, é violento! Eu vivi assim por um longo tempo, tratava minha pele com o que tinha e me acostumei a ter semanas boas e semanas ruins, até que um dia eu chutei o balde e parei de usar corticóides tópicos, foi quando eu conheci o Protopic, o único remédio que realmente me ajudou sem ter um efeito rebote do inferno. Hoje é bem difícil eu ter uma crise como as que eu tinha antigamente, não tenho fotos para mostrar, talvez isso seja bom, nunca mais quero saber o que é ter o corpo todo sangrando em carne viva por causa de imperícia médica. É uma triste realidade que poucos conseguem ver, é algo que eu gostaria que mudasse, é algo que todos os médicos que pensam em cuidar de atópicos deveriam estudar mais a fundo, porque se eles não sabem desse tipo de informação, como é que nós , meros pacientes iremos saber? Demorou pra eu descobrir, muitas pessoas ainda não sabem, muitos ainda continuarão cuidando da dermatite atópica desse jeito ridículo e insustentável. Eu tenho efeitos colaterais por causa do uso dessa droga até hoje, infelizmente irreversíveis. Por favor, converse mais com seu médico sobre opções alternativas, pergunte sobre todos os efeitos que o remédio vai causar, discuta sobre as possibilidades, não vá pra casa com dúvida, não vá correndo pra farmácia comprar o seu tratamento sem saber tudo sobre ele antes. Depois pode ser tarde demais. Nós merecemos respeito e a verdade sobre nossa condição. Dermatite atópica não tem cura, é algo que você leva pra vida com você, ela se torna parte de quem você é e cabe a você decidir como você vai viver com ela. Sempre busque segundas opiniões e métodos alternativos !

Fonte : minha vida

8 de set de 2015

Polônia : 5 coisas que eu sinto falta

Minha querida Polska, quantos momentos bons passamos juntas!  Você foi o lugar mais longe de casa que eu consegui chegar, o mais diferente e sem dúvidas o mais encantador. Já faz dois meses, mas parece que foi ontem. Não me esqueço do embarque, um voo que demorou tanto para chegar mas que quando chegou, trouxe consigo sonhos e alegrias indescritíveis. Ainda me lembro do que senti quando olhei para o céu polonês pela primeira vez, dos sabores, dos sons, das cores e das emoções que durarão por toda uma vida. E entre tantas coisas maravilhosas, hoje eu queria compartilhar um pouco das que mais sinto falta.

1- O dia que nunca acaba
Na Polônia o dia começa cedo e termina tarde. Foi realmente um grande choque ver o céu claro as 4:00 da manhã e depois ver o relógio apontar 11:00 da noite e o céu ainda estar clarinho.  No começo eu achava ruim, não conseguia dormir direito e acordava todo dia achando que estava atrasada,  mas depois que me acostumei, comecei a achar legal ter um dia longo. Um céu claro dá a impressão de que ainda temos muito tempo para fazer tudo que quisermos e consequentemente, vivemos mais e sem preguiça. 

                                4:00 da manhã em Lodz


2- Zapiekanka
Apenas a comida mais legal e prática que existe. Olha, não é fácil ser vegetariana num país que tem salsicha até na lojinha de conveniência do posto de gasolina. Encontrar a zapiekanka foi uma surpresa muito agradável, se alguém souber de algum restaurante polonês em SP me avisa ! 

                     Minha última zapiekanka em Cracóvia

3- Cervejas
As cervejas polonesas são muito gostosas, tentei experimentar o máximo de rótulos que consegui enquanto estava lá e nenhuma deixou a desejar. A minha favorita é Kasztelan, que eu ainda não tive a sorte de conseguir achar por aqui. 

                          Primeira cerveja em Varsóvia

4- Amigos
Fazia muito tempo que eu não sabia mais como era fazer coisas em grupo. Durante todo o tempo, tudo que eu fazia era junto com o grupo da faculdade, nos encontramos no aeroporto e voamos no mesmo voo inclusive. Todos os dias foram assim, café da manhã, ir pra aula andando, almoço, pós almoços preguiçosos na grama da faculdade, passeios pela cidade, viagens, compras, TUDO !  Eu não lembrava mais como era legal ter tanta gente querida por perto, pra dividir todas as coisas , os anseios, as alegrias e até mesmo as tristezas. O pior de tudo é que todas essas pessoas estão na mesma cidade que eu, mas nunca vai ser como antes. Em SP não temos tempo, as distâncias ficam maiores e o espaço para encaixar momentos como os que tivemos na Polônia são raríssimos. 
Espero que se eles lerem isso, saibam o quanto são queridos por mim e que sempre desejarei o melhor para cada um, mesmo que eu não possa estar presente, sempre terei comigo as nossas memórias, sempre terei o sentimento de gratidão por ter tido companheiros de viagem tão legais. 

                             Grupão reunido na Áustria


5- Zloty e o valor das coisas
A moeda da Polônia vale um pouco menos que o nosso real, além disso, o valor que se paga pelas coisas é extremamente justo. Saudades eterna de ir no mercado e com apenas 15 zlotys comprar várias coisas. Aqui em SP com 15 reais não dá pra comprar nem o café da manhã pra semana. De todos os países europeus que visitei, a Polônia foi onde menos gastei, mesmo nos restaurantes mais caros, o preço de uma refeição bem servida não ultrapassava 40 zlotys. Sempre usavamos táxis e dividiamos o valor, o que dava em média uns 3 zlotys pra cada pessoa, mais barato que ir de ônibus. Quando fui do hotel para a estação de trem (sim, aquela na qual eu passei um perrengue dos grandes e deixo essa história  pra outro post) que era uns 20 minutos de distância, gastei 30 zlotys. Muito barato, muito bom, zloty é vida <3 



Espero que tenham gostado deste post e se alguém tiver alguma dúvida sobre a viagem pode me chamar a qualquer hora que responderei com o maior prazer :)

2 de set de 2015

Viajar é preciso


                                    (Viajando da Polônia para a Austria)

O que eu sinto mesmo é falta de estar lá fora, em algum lugar, qualquer lugar. Sinto falta das comidas estranhas, dos idiomas que soam engraçado para os meus ouvidos, das pessoas diferentes espalhadas por todo lado. Queria poder ir e não voltar, viajar de carona pelo mundo e morrer na estrada. Digo para vocês que o jeito mais fácil de sufocar um ser que ama viajar é deixar ele preso em um escritório ou numa sala de aula. Eu quero aprender lá fora, quero trabalhar lá fora,  quero por a mão na massa, quero viver na pele o frio, o calor , o vento, a fome , a sede , a dor da saudade e as lágrimas do retorno para casa. Deve ser por isso que as vezes me sinto triste, me sinto obrigada a estar em lugares que eu não gostaria, sei que eu mesma me trouxe até onde estou por vontade própria, mas talvez eu não goste muito das minhas escolhas. As vezes me sinto triste, profundamente sem saída, me sinto ingrata com a vida. Eu tenho tudo que preciso para viver, vivo bem e feliz, então por que me sinto tão para baixo as vezes ? Busco essa resposta dentro de mim, as vezes confundo com saudades de alguma coisa que eu nem sei o que é , mas no fundo eu sei que é só vontade de viajar mais. Eu queria estar a caminho do aeroporto, sentindo aquele frio na barriga que dá antes de embarcar para o desconhecido. Eu sinto falta de andar em ruas que eu não conheço, me perder, me achar, comemorar, experimentar tudo de novo que o mundo tem para me dar. Mas ai eu me lembro que ainda estou aqui, andando nas mesmas ruas de sempre, falando com as mesmas pessoas e a caminho de mais uma possível aula chata. Me convença a gostar de viver uma vida normal quando eu sinto que apenas o que é diferente do comum me atrai. E agora estou aqui, tentando convencer a mim mesma que tudo isso é passageiro, que amanha eu já estarei conformada e feliz em viver um dia igual ao anterior. Me convença que viver tem que ser chato e igual, me convença que desfrutar da vida é ter uma casa e uma família normal. Eu me decidi então, guardar todo o meu anseio e todo o meu dinheiro para um único fim: conhecer o mundão. É por isso que faço o que faço, que venham mais mil dias de sol que não poderei sentir queimar minha pele, que venham mais mil aulas chatas que terei que engolir, é tudo por um objetivo maior. Daqui a pouco estarei partindo de novo, já não consigo mais conter essa grande ansiedade de partir logo para um país novo, afinal, o mundo é grande demais e o tempo é incerto, quase sempre curto. Me explique como os outros seres humanos também não se sentem assim ? 


27 de ago de 2015

Independência ou morte





Independência e liberdade sempre foram sinônimos no meu vocabulário. Um jamais existirá sem que o outro se faça presente. Lutei muito para conseguir ter os dois. Em minha relativamente curta jornada até o momento, sempre fiz o máximo para nāo deixar que nada fosse mais importante do que estes dois valores de extrema relevância para a formaçāo do meu caráter.
A maioria das pessoas tem uma mania MUITO feia de olhar apenas para os resultados dos seus esforços e colocar um rótulo gigante na sua testa. Parem ! Simplesmente. É muito fácil olhar pra pessoa que está na merda e falar que ela nāo é esforçada ou boa o suficiente, justamente no momento em que ela mais precisa de apoio e palavras de incentivo, vem a sociedade e a julga sem pensar nas consequências, sem noçāo do peso que uma palavra tem, sem noçāo do efeito que uma frase pode fazer na vida de uma pessoa. É muito fácil também olhar para uma pessoa que está bem na vida e dizer que ela teve sorte. Toda luta tem seu valor, toda atitude tem por trás dela um grande ato de coragem e renúncia. Poucas pessoas conseguem enxergar isso, e entāo vem os julgamentos antecipados, os preconceitos nojentos, o machismo descarado e a falsa empatia. Tenho nojo de tudo isso, apesar de estarmos no século XXI as vezes sinto que ainda estamos na idade média. Sabe como é, tenho sorte de trabalhar em um ambiente onde 95% dos funcionários sāo homens, porém, muito educados e cordiais, coisa que eu sei com absoluta certeza que nāo é realidade para outras mulheres. É aqui que eu queria chegar, a liberdade e independência que andam de māos dadas , decorre da conquista do seu espaço no mercado de trabalho. Sei que tive sorte de ter nascido na época certa, sei que em algum lugar do passado uma menina da minha idade jamais sonharia com a liberdade que eu tenho. Mas devo tudo isso aquelas que lutaram para que o meu direito de ser livre fosse possível. O meu direito de trabalhar, votar, estudar, quantas nāo tiveram e ainda nāo tem ? Até quando vai ser assim ? Ainda existe muito que precisa mudar para que eu seja completamente livre. É inaceitável que eu tenha que sentir medo de voltar da faculdade para casa as 22:30, depois de ter trabalhado e estudado o dia inteiro, ter que sentir medo de ser estuprada e morta, todos os dias. Isso nāo é liberdade, isso nāo é independência. Mas se eu cheguei até aqui, nāo é por causa de uma sociedade machista que vou desistir agora. Tenho pouquíssimas figuras masculinas que me representam, com certeza o meu pai nāo é uma delas, pois ele me abortou no momento em que nāo quis assumir sua responsabilidade (e esse aborto nāo é criminalizado nāo é mesmo?). Mas isso foi ótimo por dois motivos : cresci idolatrando duas mulheres fortes e aprendi que a presença de um homem na minha vida é tāo necessária quanto uma capivara do rio pinheiros. Acho que já passou da hora dessa merda mudar, já passou da hora de parar com esse conformismo estúpido e começar a lutar por mais espaço, nāo por mim mas por todas que ainda nem sonham em ser livres e independentes. Nāo consigo mais pensar apenas no meu corre enquanto uma mulher é estuprada a cada quatro minutos no meu país. Onde está a minha liberdade eu pergunto pra vocês ? Onde está a minha independência ? É justo viver assim ?

21 de ago de 2015

Talvez eu seja atrasada, talvez eu seja diferente.





Enquanto as meninas da escola estavam usando maquiagem e correndo atrás de namoradinhos, eu estava lendo e viajando. Enquanto todas queriam estar na moda, eu vestia o que era confortável e fazia o que quisesse com o meu cabelo. Nunca perdi tempo levantando mais cedo pra me arrumar e ir pra escola, nunca me importei com o que iriam pensar do meu rosto, das minhas roupas, do meu cabelo, de mim. Genuinamente, sempre fui extremamente livre de todas as formas possíveis, qualquer coisa que pudesse ameaçar a minha amada liberdade, era descartado imediatamente sem pesar consequências. Liberdade sempre foi a coisa mais importante, o meu valor principal, o que me colocou nos caminhos que me trouxeram até aqui. Olho para trás e não me arrependo de nada que foi feito. Hoje, vejo que as pessoas que mais pisaram em mim, principalmente na época da escola, estão em um lugar onde eu jamais gostaria de estar. Aquela garota que era a gostosinha da turma e se achava o máximo, se casou com o primeiro ignorante do bairro e com ele teve filho atrás de filho, nunca conseguiu ultrapassar as fronteiras da sua própria cidade. Não viajou, não estudou, não leu, não sorriu, não viveu. No fundo eu sinto pena, pois eu realmente era massacrada por garotas assim e talvez por alguns momentos eu me sentisse mal por ser tão diferente, mas hoje sei que fiz a coisa certa em não querer ser igual a todo mundo. Hoje eu sei que ser diferente é legal, que pensar fora da caixa é um privilégio que poucas pessoas possuem, tudo depende de oportunidades e eu sou grata por ter tido a chance de conviver com pessoas que sempre me inspiraram a ser melhor. Enquanto estas pessoas se tornaram tudo o que eu não quero ser, eu me tornei tudo o que elas jamais serão. A grande diferença entre nós é que eu não fui junto com a massa, eu fui fiel ao meu coração o tempo inteiro, eu não quis ser igual a ninguém além de mim mesma. Hoje, sou grata por não ter sido aceita em grupinhos e por ter sido a última menina da turma a beijar um garoto pela primeira vez. Hoje, eu sou grata por ter brincado de boneca até os 14 anos, por não trocar meus livros por festinhas estúpidas, por não perder minha inocência cedo demais como os outros fizeram. Minha infância foi tão duradoura que até hoje me sinto uma criança, vejo o mundo com os mesmos olhos, tudo me surpreende, tudo me encanta e a vida me fascina cada vez mais. Então talvez eu deva usar o que sei para me conformar, pois hoje, a história se repete mais uma vez. Vejo muitos colegas indo por um caminho, enquanto eu fico para trás e indecisa, mas sinto aquela coisa lá no fundo da alma que me diz que eu devo esperar. Eu vou seguir a minha intuição porque sempre deu certo. Hoje, ainda estou um pouco “atrasada”, mas talvez eu seja apenas diferente. Todos estão casando, tendo filhos, terminando a faculdade enquanto eu acordo de manhã pensando na minha próxima viagem, imaginando como será o próximo continente que irei visitar, vou pra faculdade já pensando no próximo curso que irei fazer, imagino todas as possibilidades que existem como certas para mim. Tudo é possível, tudo é conquistável, e por que não seria? Muita gente da minha idade já sabe o que quer, e eu ainda estou vivendo como se tivesse 17 anos, e quem disse que isso é errado? Talvez um dia, estas mesmas pessoas olharão para mim e pensarão “gostaria de ter feito o que você fez” e assim a história se repete. Eu só queria dizer tudo isso, porque tenho certeza que muitas meninas se sentem como eu me sentia, que muitas mulheres se sentem como eu me sinto e que só porque todo mundo faz uma coisa, não quer dizer que esta coisa esteja certa. Então, se você é diferente, continue sendo assim, se você não quer ir com os outros, fique. A vida tem caminhos misteriosos que nos levam a tesouros magníficos e inimagináveis. É um erro imperdoável abrir mão de ser você mesma para tentar se encaixar numa sociedade corrompida pela ganância. Seja você mesma, use o que quiser, seja honesta com seus desejos mais profundos, pois é isso, apenas isso que realmente importa. A gente nasce e morre sozinho, a luta de cada um é tão individual para que a gente perca tempo pedindo opinião alheia ! A sua opinião é a única que deve importar pra você, a suas escolhas devem ser exclusivamente suas. O mundo é grande demais, já tem sujeira e confusão demais, todos mandam e desmandam, a única coisa que você pode fazer é decidir sobre sua própria vida e não se deixar influenciar pela maioria jamais. Que o mundo inteiro se exploda, a sua liberdade de ser o que você quiser ninguém pode tirar.


Beijos,

Vaanz 
Emoticon smil

12 de ago de 2015

Eu não quero




Hoje eu não quero pensar, não quero tentar, só quero esquecer. Não quero lembrar, apenas estar e assim permanecer. No silêncio ou no barulho , no escuro do meu quarto ou sob a luz que do sol emana, só quero existir e não sentir. Nem ao menos sei se isso é possível, uma existência sem sentimentos para processar. Como seria acordar sem sentir solidão, chegar em uma casa vazia e nunca sentir tristeza? Como seria ser machucada sem sentir ódio e vontade de vingança? Como seria dormir sem precisar acordar? Passo horas me perguntando se tudo seria perfeito se minhas emoções fossem menos intensas, se meu choro fosse falso, se minha alegria não fosse tirada de mim por coisas fúteis. Eu me deixo abalar por pouco, sofro em demasia, me enterro na agonia da espera, como se o amanhã não fosse real, como se o passado inteiro não significasse nada. Poucos entendem a dor de ser um ser tão sensível, de ser um ser que as vezes não quer ser mais nada, só para acabar de vez com toda a angústia de não saber a verdade sobre nada e ninguém, acabar com a incerteza, aquela que vive te dizendo que o que você faz não está certo e você vai se arrepender. Seria perfeita se não sentisse tanto, se não me preocupasse tanto ? Seria perfeita se não me deixasse levar, se não acreditasse em mais nada que me falam, em nada que me mostram? Nunca saberei a resposta para minhas perguntas, pois não há um dia nesta estrada solitária em que eu não sinta pelo menos um sentimento muito forte, que me domina da cabeça aos pés, que me transforma em um ser humano capaz de fazer qualquer coisa, qualquer loucura, chame como quiser. Eu nunca saberei como é simplesmente não sentir, porque mesmo quando não sinto nada, eu sinto tudo, sou como um vulcão prestes a entrar em erupção, sem avisos, sem tempo para fugir. Coloco em pedaços tudo aquilo em que encosto, pois não suporto que em mim encostem, transformo em cinzas tudo aquilo que ousa me desafiar, coloco um fim na vida de tudo que tenta a minha vida tirar.

A insanidade não se explica.
O silêncio não ajuda.
O tempo não existe.


Por que sentir tanto afinal?


7 de jul de 2015

Chegando na Polônia !


                                                                                Rua Pietrkowska


Primeiramente gostaria de me desculpar por ter prometido posts diários sobre a viagem, achei que teria mais tempo do que realmente tenho e infelizmente vou precisar quebrar esta promessa. O que nāo significa que nāo irei postar o máximo que conseguir enquanto estiver aqui na Europa.


Bom, agora vamos ao que realmente interessa ! Cheguei na Polônia no dia 27 de Junho e senti algo que raramente sinto quando chego em um destino novo : CHOQUE ! Todos os países que visitei eu já tinha uma idéia do que esperar, todos tinham muitas pessoas que falavam inglês, traduçāo em inglês embaixo da maioria das placas e etc. Aqui na Polônia, pelo menos na cidade onde estou que é Lodz, isso nāo existe. Pouquíssimas pessoas falam inglês,  em muitas lojinhas e restaurantes todos os itens estāo escritos na língua local e os vendedores nāo falam inglês também. Pegar táxi aqui virou uma grande aventura, com direito a calote do motorista e tudo mais haha, mas acredito que tudo isso faz parte e pode acontecer em qualquer lugar. A primeira sensaçāo que tive foi de achar tudo engraçado, os nomes, os produtos do mercado, as comidas dos restaurantes e tudo que estivesse escrito em polonês. Por isso o sentimento de choque, pois pela primeira vez na vida estou de fato em um lugar onde tudo é novo pra mim, e mesmo tendo pesquisado bastante, chegar aqui e me deparar com essa realidade foi algo bem peculiar.

Acreditei muito que teria tempo para ler e escrever mais, mas aqui os horários estāo bem apertados e o tempo está passando extremamente rápido. Até agora já conheci bastante coisas por aqui mas ainda falta muito. Dois dos lugares mais legais que tem em Lodz sāo o Manufaktura e a rua Piotrkowska. O Manufaktura é mais do que um shopping, pois além se der um ótimo lugar para fazer qualquer tipo de compra (e comprar com a moeda daqui compensa MUITO, até mais do que comprar nos Estados Unidos eu diria) também é um local que reune diversas atrações, no dia que visitei pela primeira vez era domingo, tinha até uma galera fazendo bungee jump lá e uma "praia" com um beach bar haha. Na Piotrkowska é onde acontece a vida noturna da cidade, pois lá se encontram as melhores baladas e bares e a rua por si só já é uma atraçāo turística, com aproximadamente 4 km de extensāo é uma das ruas comerciais mais extensas de toda a europa e com certeza é um ótimo passeio a qualquer hora do dia. 




                                                      Manufaktura

Posso dizer que estou amando e me surpreendendo com a Polônia, pois a cada dia que passa descubro algo novo sobre a cidade e sobre mim mesma, coisa que seria impossível se eu estivesse em qualquer outro lugar do planeta. A Polônia me conquistou com a sua história, com o seu povo que nem sempre é muito receptivo mas há exceções, que sāo pessoas incríveis e sempre muito dispostas a te ajudar.  

Tenho apenas mais essa semana aqui neste país lindo, com o céu mais bonito que eu já vi no mundo, sempre aberto, amplo, por alguma razāo o horizonte aqui parece maior. Vou sentir falta das zapiekankas , das noites que demoram para chegar e das manhās que se iniciam as 4 da madrugada, com direito a sol na cara e céu azul do meio dia. Sentirei falta de estar em um local que possui tanta história pra contar e com certeza voltarei para matar as saudades em breve.


                                                         O lindo céu da Polônia <3




26 de jun de 2015

Partiu Polônia



Daqui algumas horas estarei embarcando para a Polônia, onde ficarei duas semanas para fazer um curso de férias na Universidade de Lodz. Apenas 20 de aproximadamente 200 inscritos ganharam esta bolsa da faculdade FMU e eu fui uma delas. Como o curso é de duas semanas, resolvi tirar o mês inteiro de férias do trabalho para ficar logo 30 dias na Europa. 

Não é a primeira vez que viajo para ficar bastante tempo fora, mas é a primeira vez que viajo sentindo receio. Todas as outras vezes, eu senti que não tinha nada a perder, claro que tinha saudades da minha família e dos meus amigos, mas era apenas saudades, eu nunca tive laços realmente fortes com nada e com ninguém. Agora que eu tenho, entendo completamente porque tantas pessoas sentem medo de viajar e ficar longe tanto tempo. 

Ontem de manhã eu sai de casa sabendo que iria voltar e dormir sozinha, meu namorado viajou para a Holanda e assim que meu curso acabar iremos nos encontrar na Alemanha. Fazia tempo que eu não sentia essa sensação estranha, nunca ficamos mais do que cinco dias sem se ver e chegar em uma casa vazia partiu meu coração de uma forma inexplicável. Pela primeira vez, depois de muito tempo, me senti sozinha,  coloquei uma camiseta dele, usei o seu perfume, abracei o travesseiro e me senti triste. Fiquei esperando ele abrir a porta, chegar de repente, sei lá.  Sei que parece exagero, vamos nos ver daqui a pouco e tem casais que se vêem muito menos do que nós,  honestamente não sei como conseguem, me contem nos comentários depois. Enfim, mesmo sabendo que parece exagerado, isso não diminui a minha dor. Ficar longe de quem se ama nunca é bom, como poderia ser?

Hoje de manhã sai de casa sabendo que não vou voltar por um tempo, beijei meu gatinho, que é possivelmente o ser que eu mais sentirei falta durante esse mês, olhei para a casa pela última vez , fechei a porta e não olhei para trás. E apesar de todos esses sentimentos misturados, estou feliz e ansiosa. Já estou aqui com tudo pronto para partir para mais uma aventura. Pretendo postar todos os dias durante esse mês para mostrar um pouco dos países pelos quais irei passar : Polônia, República Tcheca, Áustria, Eslováquia, Alemanha, Bélgica e Holanda. 
Se você já foi para algum destes lugares e tiver alguma dica ou sugestão, deixe nos comentários. Este é meu último post aqui no Brasil, amanhã volto para contar como foi minha chegada no solo polonês.

Abraço forte para o Brasil e partiu Polônia ! 


22 de jun de 2015

3 formas de fazer intercâmbio gastando pouco




Chega aquele momento na vida em que o que está ao nosso redor deixa de ser suficiente. Faz parte da natureza humana buscar outros horizontes e sentir o anseio por aventuras e experiências novas, e é exatamente aí que entra o intercâmbio.

Para começar, esqueça a idéia de que para viajar precisa ter muito dinheiro, isso não é verdade. É possível explorar lugares incríveis mesmo tendo um orçamento limitado como o meu. É lógico que quanto mais dinheiro, melhor, mas é possível fazer muito com pouco. Conheço pessoas que tem muito dinheiro e não conhecem NADA do mundo, e isso é falta de informação ou falta de vontade. E a vontade , meus amigos, é o ingrediente mais importante para se alcançar qualquer objetivo na vida. Quando você realmente quer uma coisa, não importa se parece impossível, você vai lutar e vai suceder !

Bom, vamos ao que interessa ! Como posso fazer intercâmbio gastando pouco ?


1- Au Pair


É claro que eu começaria falando disso né? Além de ter sido o melhor ano da minha vida, o Au Pair foi o meu segundo intercâmbio e na época o meu gasto foi de aproximadamente 5 mil reais. Incluo neste valor os meus gastos com visto e taxas da agência, como inscrição, entrevista, valor do programa e etc. Em 2011 embarquei para Nova Iorque pela Cultural Care, agência pela qual tenho alta estima e recomendo sem restrições, pois o suporte é pleno do início ao fim, tanto no Brasil como nos Estados Unidos.
Os pré-requisitos para ser uma Au Pair variam de acordo com o país de destino. Nos Estados Unidos por exemplo, é requisito que se tenha entre 18 e 26 anos de idade, carteira de motorista (e saber dirigir), 200 horas comprovadas de experiência com crianças, inglês intermediário e principalmente, gostar de crianças, pois este será o trabalho da au pair durante um ano, ou dois, pois existe a possibilidade de estender o programa.
Estes requisitos são básicos para se inscrever, o que vem depois disso são exigências específicas que variam de acordo com a host family. Algumas famílias buscam apenas au pairs que tenham experiência com crianças menores de 2 anos de idade, outras buscam au pairs que tenham muita experiência com direção, ou que seja de uma nacionalidade específica. É preciso que as suas habilidades , personalidade e hábitos se encaixem com as necessidades e perfil da host family, para que aconteça o match (quando uma host family escolhe você e você aceita). É como uma entrevista de emprego, tudo é levado em consideração para o match e quem faz as combinações é a agência.
A melhor parte do au pair é que você tem a oportunidade de morar com a família americana, então não há gastos com estadia e comida. O trabalho desenvolvido pela au pair envolve tudo que tenha relação com as crianças, desde cuidados com as roupas, brinquedos, alimentação, acompanhá-las em suas atividades, enfim, ser como a irmã mais velha delas durante 45 horas semanais e receber o salário semanal de USD 195,75. Existe ainda o benefício de USD 500,00 para custear um curso de sua escolha em alguma universidade americana, pois para finalizar o programa, é necessário que você comprove que estudou e obteve os créditos. Por fim , a au pair tem direito a duas semanas de férias remuneradas, que são combinadas entre a host family e a au pair.

É um programa incrivel? SIM !

É para qualquer pessoa? NÃO !

É fundamental que você goste genuinamente de crianças e que esteja ciente de que está indo para trabalhar. Tendo isso em mente e como prioridade, o seu ano como au pair tem tudo para ser um sucesso e inesquecível assim como o meu.


2- AIESEC

Este intercâmbio está na minha lista de futuro intercâmbio que irei fazer ! Já pesquisei bastante e cheguei a conclusão de que é barato e o objetivo une a nobreza de doar seu tempo para uma boa causa e o prazer de conhecer um país novo.

Basicamente, você escolhe o país e a organização para a qual vai trabalhar, tudo isso antes de embarcar. Há uma taxa de inscrição e os demais gastos seriam com passagem, visto e seguro. Como já estou cadastrada no sistema deles , onde as organizações postam as suas vagas, benefícios e requisitos, dá pra ter uma idéia geral de gastos. Algumas organizações oferecem hospedagem, até três refeições por dia e transporte para o local de trabalho. Então as suas despesas variam de acordo com a vaga. Se você escolhe um país mais próximo por exemplo, economiza com a passagem aérea. Se a vaga que você escolher oferecer mais refeições e transporte, já são mais duas despesas a menos. O horário de trabalho também muda de acordo com a vaga, então é tudo bem flexível e só depende da vaga que você escolher. 
Os requisitos para ser um cidadão global pelo AIESEC são :

  •  - Ser graduando, pós-graduando ou formado em até 2 anos.
  •  - Ter de 18 a 30 anos de idade
  •  - Inglês ou espanhol intermediário

Para mais informações, consulte o site.


3- Curso de idioma negociado direto com a escola/universidade

Em 2008 eu fiz um curso de inglês na Universidade do Alabama em Tuscaloosa. Foi a primeira vez que sai do país sozinha e tudo era novo e emocionante. Na época o gasto foi de 10 mil aproximadamente, incluindo passagens aéreas, alimentação, estadia no campus da universidade, seguro saúde, taxas de inscrição e o valor do curso. Não afirmo que 10 mil seja um valor barato, mas é mais barato do que fechar um curso com uma agência, que cobra taxas em cima de tudo que você contrata. A Universidade do Alabama é enorme, o campus é lindo e lá tem de tudo que você possa imaginar. Encontrei com poucos brasileiros, uns 4 ou 5 em um campus gigante onde vivem milhares de alunos, o que me ajudou muito a focar no curso e não ficar falando português. 



Se você sabe de alguma dica legal pra viajar gastando pouco, compartilhe aqui nos comentários.


11 de jun de 2015

Querida mamãe

As vezes sinto saudades de coisas que eu nunca tive, de pessoas que eu nunca vi e lugares que nunca frequentei. As vezes sinto falta de todos os abraços que deixaram de existir quando você se foi, de todos os sorrisos que não puderam e jamais serão compartilhados entre nós novamente.
O vazio é um espaço que nem sei mais medir, as vezes parece que é aquele buraco na alma, fundo e escuro, inacessível e talvez por isso, impossível de se preencher.
Procuro ser forte desde que você partiu, as vezes muito mais do que realmente sou. Talvez eu tenha gasto tempo demais fingindo ter uma força que eu nunca tive. Talvez as lágrimas que hoje escorrem sejam todas as lágrimas que deixei de chorar durante todos estes anos. Muitas vezes eu sorri sem sentir o riso em mim, parti sem sentir saudades de nada, porque nada me fazia mais falta. Nem eu mesma, nem meus planos, nem meus sonhos. Talvez por isso eu tenha vivido de forma tão intensa e inaceitável pela maior parte das pessoas comuns. Fui longe, não para ir e aprender, fui para fugir. Todas as vezes que comprei passagens foi para tentar ir embora, tentar ver se eu conseguia tirar esse vazio de mim. Ainda não consegui.
O buraco fica cada vez mais fundo, o escuro fica cada vez mais medonho e a solidão se instalou nas raízes mais profundas do meu coração como uma praga de jardim. Vivem me dizendo que eu tenho sorte, que minha vida é perfeita. Só queria que todos soubessem que não é bem assim. Nada é perfeito. Tudo teve um preço alto, as noites, os amigos, as viagens, os sonhos, todas as loucuras que eu já fiz nessa vida, paguei com o restinho de esperança que existia em mim. Coloquei todas as minhas energias nas coisas mais banais e passageiras, mas por favor, não me julgue, pois se fiz isso foi para tentar preencher aquele vazio que eu tanto te falo.
E então cheguei aqui, depois de gastar toda a minha energia vital para viver intensamente como se não houvesse amanhã, eu finalmente me cansei. Mas a culpa também é sua, pois sua partida brusca me fez ter medo. Eu tinha apenas 11 anos quando comecei a sentir essa grande ansiedade que em mim habita, esta grande vontade de fazer o máximo que eu puder em pouco tempo, essa pressa de viver e ter tudo o mais rápido possível. Eu sou apressada porque quando você foi embora eu pensei que eu iria também. Fiquei com medo que minha vida fosse tirada de mim igual a sua, de forma cruel e abrupta.
Depois de todas as loucuras comecei a perceber que eu não era igual as outras pessoas, tinha alguma coisa diferente em mim , algo que me impedia de me encaixar em qualquer lugar que fosse, como uma peça de quebra cabeça perdida. Cresci ouvindo que eu era louca, que meu jeito de viver a vida era peculiar. Acho que me cansei de ser diferente das pessoas, pelo menos uma vez eu gostaria de me sentir igual, e então eu fiz de tudo para parecer igual. E este foi mais um erro que jamais poderei reparar. Para ser igual eu precisei sofrer mais um pouco, abrir mão do meu espírito aventureiro, mas eu já estava tão cansada de andar por aí, que ficar em um local fixo por um tempo me pareceu ser uma grande aventura. Mas me perdi, acabei me prendendo nesta jaula e agora não sei mais como sair, não sei onde eu deixei a minha coragem. Por isso, sinto-me triste, cheguei a conclusão de que estar longe e viver intensamente não me faz tão bem, mas ser igual aos outros e viver uma vida comum me faz infeliz.
Este é o momento em que eu precisaria do seu abraço, de um conselho diferente dos que eu estou cansada de ouvir. Este é o momento em que eu precisaria saber que existe pelo menos uma pessoa no planeta que entenda exatamente como eu me sinto, e que não me julgue por isso ou me diga que eu preciso crescer.
Eu não preciso de um sermão, apenas de um coração amigo.

Eu sinto sua falta :/


29 de mai de 2015

Traição




A traição é como um erro no negócio jurídico, o erro essencial ou substancial é aquele que incide sobre a essência (causa) do negócio que se pratica, sem o qual este não teria se realizado. É o caso da pessoa que encontra seu pretendente acreditando que este tem de fato a personalidade que demonstra, acreditando que a pessoa é leal e amorosa, porém se soubesse que na verdade esta pessoa era uma mentirosa, o relacionamento se quer teria iniciado.
Acredito em liberdade e em pensamentos livres mas não acredito em segundas chances e arrependimento de quem demonstra ter pouco interesse. Somos todos livres para fazer o que bem entendermos com a nossa vida, nosso corpo e nossos sentimentos. É claro que ninguém é obrigado a confiar ou acreditar em ninguém, cada um submete-se ao tratamento que lhe é imposto por pura liberdade e vontade. Mas há que se reconhecer que o traidor sempre será um ser humano de pouca confiança. Pois sabendo que possui tais liberdades, usa isto contra todos ao invés de ter respeito próprio e pelos outros,  através do ato de não envolver ninguém em suas escolhas esdrúxulas.
Se ninguém é obrigado a nada, então por que apunhalar o inocente pelas costas? Em um relacionamento deve existir acima de tudo confiança. Quando isso acaba, nada mais se sustenta, muito menos o amor. Eu conheço inúmeras pessoas que falam de traição com muita naturalidade, talvez esta informação me assuste um pouco. Se para elas é tão normal, por que é que sentem vergonha de expor tal situação para seus familiares e amigos ? Acredito que no fundo, quem trai sabe que é errado. É errado por agir de má fé, é errado por não ter comprometimento com as suas obrigações. Existem regras que não podem ser quebradas, são verdadeiras para todos e por favor, me apresentem um ser humano que já foi traído e achou legal, gostaria muito de ver.
Não é errado achar outras pessoas bonitas, não é errado sentir tesão, é perfeitamente normal e aceitável admirar um corpo belo. O erro é você estar em um relacionamento com alguém que acredita e confia em você enquanto você pensa em outra pessoa incessantemente, E SIM, pensar é trair também, se for dessa forma que eu disse. É diferente você ver um cara gato passando na rua e achar ele bonito do que você dormir e acordar pensando em uma pessoa específica. Me responda se isso é justo para você e para o seu companheiro (a)? Não é justo para você, pois se você tem desejo de estar com outra pessoa, você deve respeitar seus sentimentos e fazer isso, porém , da forma correta. Não traia, "SEJE HOMI/MUIÉ" e termine o seu relacionamento prévio de forma digna e ética invés de sair por aí esfregando seus orgão genitais que não são capazes de esperar pelas costas de quem confia em você. O fim de um relacionamento pode ser algo extremamente doloroso, muitas pessoas sofrem com isso durante anos. Mas é pior ainda dependendo da forma como ele acaba. É muito mais honroso você ser uma pessoa honesta e dizer a real do que ir lá e trair a pessoa que você diz que ama. Se ama mesmo, deixa-a livre para poder encontrar outro alguém que possa a amar de verdade e não esse projeto de sentimento que você chama de amor.
Este texto é para todas as pessoas que já traíram, pois espero que vocês tenham a capacidade de aprender com seus erros e crescer como pessoas até o fim de suas vidas. Este texto é para todos que já foram traídos, pois espero que vocês possam encontrar o amor verdadeiro que eu tenho certeza que existe. Este texto é para você que está pensando em trair, TOME VERGONHA NA CARA e admita seus sentimentos, não traia, termine !


27 de mai de 2015

Por que eu amo São Paulo?




São Paulo apesar de todos os problemas ainda é a única cidade do Brasil na qual eu moraria. É em São Paulo que começa a minha história, meu sangue é paulista e meu sotaque também. Aqui tem muita coisa ruim, muita gente tosca e mal educada, muito empurra empurra e principalmente muito ladrão.
Porque eu moro aqui então ?
Primeiro porque São Paulo é uma das maiores capitais do mundo, em população somos maiores do que Nova Iorque, e isso é um defeito, pois tem muita gente para pouco espaço e pouco emprego, fatos que aumentam a criminalidade e a pobreza. Mas é toda essa diversidade que faz São Paulo ser única e incrível.
Sei que muitas coisas ainda precisam mudar, estamos longe de ser uma cidade considerada boa em qualidade de vida. Aqui todo mundo vive estressado, correndo, trabalhando, estudando ou produzindo algo novo e diferente. Falam muito mal de São Paulo mas é aqui que tudo acontece, é pra cá que todo mundo vem para realizar sonhos. É isso, São Paulo é a capital dos sonhos, e não se deve cuspir no prato que come. Falam mal de SP mas é aqui que estão os melhores empregos, os melhores restaurantes e onde você sai para comer a qualquer horário das 24 horas do dia e encontra comidas maravilhosas, coisa que é praticamente impossível em Paris por exemplo, às 22 horas eu estava com fome e continuei assim porque lá não tinha uma pizza para fazer meu estômago parar de roncar. Falam mal de SP mas é aqui que as melhores bandas internacionais vem tocar, é em São Paulo que acontecem as mais diversificadas exposições de arte, aliás, é em SP que está localizado o museu que possui a mais importante e abrangente coleção de arte ocidental da América Latina e de todo o hemisfério sul, em que se notabilizam sobretudo os consistentes conjuntos referentes às escolas italiana e francesa. Acho que vocês sabem que estou falando do nosso querido Museu de Arte de São Paulo, mais conhecido como MASP, e um dos meus lugares favoritos na cidade, o meu refúgio quando quero fugir da mediocridade da realidade e me deleitar na companhia de renomados artistas como Delacroix, Renoir, Monet, e Van Gogh. Além disso, São Paulo é o centro financeiro da América Latina sendo a sexta maior indústria de asset management do mundo. Preciso falar mais ?
Temos tanta cultura e tanta coisa boa em SP que mesmo morando aqui há anos, ainda não conheço nem metade do que a minha cidade tem para oferecer. Já morei em muitos lugares, Guarapuava, Curitiba, Embu das Artes, Tuscaloosa, Nova Iorque e já visitei alguns países de passagem. Óbvio que se for pra escolher uma cidade no mundo, não escolheria SP, mas quando falo de Brasil, São Paulo ainda é a melhor pra mim.
Não troco SP por Rio de Janeiro, não troco SP pelas belas praias do Nordeste e não troco SP pelas cidades limpinhas e organizadas do Sul. Porque é aqui que está o coração do meu país, onde todos vem de longe para ver e sentir um pouco como é a sensação de estar no meio de tudo, onde tudo acontece e onde tudo é possível.
São Paulo é como coração de mãe, sempre cabe mais um, sempre dá pra arrumar um jeitinho de acolher mais um amigo brasileiro, seja de Salvador ou de Porto Alegre. Todos são bem vindos nesta terra e é por isso que eu amo São Paulo.
Sou paulista com orgulho e sei dos problemas da minha cidade, sei que muitos vão me responder com dez críticas para cada qualidade de SP que eu falei, mas isso não muda nada. Eu acredito muito que o futuro é progredir e mudar pra melhor sempre. SP está muito melhor do que já foi e a tendência é ficar melhor ainda. Vocês podem dizer o contrário se quiserem, eu vou continuar estudando e trabalhando porque acredito que posso mudar minha cidade, meu estado e meu país, e é por isso que eu AMO São Paulo, aqui eu tenho a oportunidade de fazer tudo isso acontecer e quem sabe daqui 50 anos, meus netos colherão os frutos do que eu plantei em minha terra.


Eu amo SP, e você ?