27 de nov de 2014

Estou indo embora




O tempo nos ensina a  aceitar e perceber quando não somos mais bem vindos. Na verdade, passamos a vida inteira nos preparando pra momentos assim. Quando criança, chorava pelo brinquedo perdido e pelas brincadeiras cruéis das outras crianças. Quando adolescente, sofria pela desilusão do primeiro amor, o coração doía intensamente,como se nunca mais fosse amar ninguém e a vida seria eternamente um quarto escuro e frio. E assim fui crescendo, a cada perda, a cada desilusão e a cada lágrima derrubada eu me tornava mais forte do que fui no dia anterior. O tempo me moldou inteira, as perdas me transformaram em um ser humano capaz de encarar qualquer luta. Percebi que mesmo depois de chorar ou sofrer eu continuava viva e pronta para outra, já não me importava mais em me machucar pois sabia que a cicatrização da minha alma estava cada vez mais ágil. Já sangrei inúmeras vezes por situações que hoje me fazem rir. Não sou mais a criança que chora, não sou mais a adolescente que sofre. Hoje sou a mulher que pode até sofrer e chorar mas tem a força para se levantar e seguir em frente. Demorei anos para aprender, passei dias batendo na mesma tecla para entender que certas coisas não foram feitas para darem certo. Hoje, entendo que chegou a hora de me afastar.Não esgotarei meus esforços em algo que já sei, por experiência, que não funcionará.
Hoje eu só quero paz e amor de verdade, se não for sincero e real prefiro estar sozinha. Aprendi também a amar minha própria companhia e me amar o suficiente para não deixar que ninguém me use ou abuse da minha boa fé.
Portanto estou partindo, fica aqui o meu sincero até logo e seja feliz. Prefiro viver a nobreza de morrer buscando um sonho do que a mediocridade de viver um amor pela metade.