24 de set de 2014

Eu me demito !



Faz tempo que deixei de gostar de surpresas, especialmente aquelas que chegam para mudar  minha vida. Me transformei em uma máquina perfeita de controle e manipulação. Controle, era tudo que eu queria ter. Contar calorias, convencer pessoas, medir espaços, prever situações e conversas, estar sempre um passo a frente de tudo, para nunca mais ser surpreendida. Não acreditar em nada e ninguém, para nunca mais ser decepcionada. Isso funcionou por muito tempo e apesar de cinza, minha vida tinha reflexos coloridos nos dias de sol. Mas eu controlei tantas coisas que perdi o controle sobre a única que realmente importava: minha alegria.
Deixei de comer, deixei de sair, parei de ver pessoas, me escondi em minha caverna, segura de tudo que pudesse me contradizer, protegida de todos os comentários negativos que diziam que o que eu estava fazendo era errado. 
Até que um dia eu tive um sonho, tudo estava ok e eu era feliz como não sou quando estou acordada. Mas neste dia eu acordei com esperança de me sentir daquele jeito de novo . Foi quando eu me rendi, deixei a vida retomar o controle que por tanto tempo eu adorei , que eu pude me sentir livre de novo. Neste dia eu não tive medo da decepção, já não me importava mais, não tive receio do que poderia acontecer se tudo desse errado. Neste dia eu me senti mais jovem, de certa forma estúpida, por fazer algo que por tanto tempo era proibido no meu mundo. Foi quando eu perdi o controle que a vida voltou a me surpreender, e talvez eu estivesse com um pouco de medo, mas não deixei isso me impedir de abrir a porta. Eu estava cansada de ser prisioneira do meu ego, exausta de estar sempre no controle de todas as situações. Então eu joguei fora todas as minhas armas e sai em campo de batalha com os olhos vendados. E foi a melhor decisão que eu já tomei na minha vida. Eu escolhi acreditar em quem não conheço, decidi me entregar completamente sem pensar nas consequências e posso estar ficando louca mas nunca estive tão feliz em toda a minha vida. E por enquanto, querido diário, é isso. Fico aqui, pensando no que está acontecendo lá, com o corpo aqui e com a alma vagando ao redor de quem eu não consigo parar de pensar. Ainda com o cheiro na minha pele, o coração acelerado e a mente completamente livre para imaginar mil possibilidades sem medo de me decepcionar.